Sou louca por eventos de inovação! Meu favorito até agora é o Hacktown, que acontece na pequena Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais, pertinho de São Paulo. Fui em três das quatro edições. Tudo sempre perfeito. Gosto tanto que já escrevi bastante sobre o Hacktown pelo ponto de vista do evento. Só que acabei deixando de fora uma das coisas mais especiais: o lugar onde tudo acontece.

Santa Rita do Sapucaí é uma cidade muito diferente de tudo que já vi no Brasil. Talvez seja única. É pequena, com apenas 40 mil habitantes, mas abriga um impressionante polo de tecnologia e inovação conhecido como o Silicon Valley brasileiro. É cosmopolita, sua população tem um nível de escolaridade aparentemente muito alto e o local reúne gente que se muda para lá na ânsia de fazer projetos inovadores com um estilo de vida invejável. A cidadezinha tem uma vida cultural impressionante e muito autêntica e a população tem uma relação muito próxima com a natureza. Qualquer pessoa que goste de um estilo de vida descolado e intelectualizado (como eu!) fica maluca para se mudar para Santa Rita. É apaixonante!

Acontece que muitos amigos (que ainda não foram ao Hacktown) insistiram que a cidade deveria ser diferente fora do período do evento. Diziam para eu não me iludir. Então resolvi tirar a prova. Passei duas semanas em Santa Rita no final de dezembro / 2018, início de janeiro / 2019. Tudo que eu pensava sobre a cidade não apenas se confirmou, como se intensificou.

Aqui vai um artigo todinho, com os cinco motivos que fizeram me apaixonar mais ainda pela cidade e querer voltar sempre.

1 - AS CAFETERIAS

Quando você entende a cultura de cafeterias que existe em Santa Rita do Sapucaí, começa a ficar evidente os motivos da cidade ser um polo de inovação e de startups. Arrisco a dizer que a cidade tem o maior índice per capta de coffee shops descolados do mundo (rs)! É um mais lindo que o outro. Como a população frequenta em peso, dá pra dizer que as pessoas se falam o tempo todo e isso gera fortes conexões! É o segredo das cidades inovadoras!

São muitos cafés, que você vai vendo à medida que anda a pé pelo centrinho. Aliás, caminhar pelo centro de Santa Rita é uma das coisas mais agradáveis de se fazer por lá. Além das cafeterias, o produto café também se destaca. São inúmeras marcas familiares produzidas na região que tem um dos melhores terroirs para café no mundo. A variedade de produtinhos feitos pela própria comunidade, como geléias, docinhos e outras comidinhas, também chama a atenção. Tem até mesmo uma cafeteria em que você mesmo serve seu próprio café e quitutes mineiros e paga o quanto acha que vale, num modelo que intitula de “Honest Market”. Como não se apaixonar?

O que percebi é que eles apoiam muito o comércio local e buscam um estilo de vida diferente, valorizando ainda mais a cultura de lá. Soube que Santa Rita é uma das cidades que mais recebe visitantes em Minas Gerais, mesmo teoricamente não sendo considerada uma cidade turística. Arrisco a dizer que grande parte desse turismo tem a ver com a cultura das cafeterias. É algo realmente único no Brasil!

2 - AS PESSOAS

O que faz uma cidade são seus moradores. A população de Santa Rita mostra isso na prática. É muito receptiva, educada e mente aberta. Enquanto o interior é geralmente mais desconectado e mente fechada, Santa Rita é muito diferente. As ideias e iniciativas que circulam ali estão conectadas às principais tendências globais, não apenas tecnológicas, mas comportamentais, com um viés humano e criativo muito forte. Não tem lixo nas ruas, os pontos de ônibus contam com livros para ler na espera, é comum às mulheres empreenderem, tem presença de arte urbana na cidade inteira, e fica evidente que a população cuida muito bem da cidade. Todo mundo com quem eu conversei estava engajado em alguma atividade no mínimo interessante, principalmente em empresas de tecnologia, que são inúmeras.

Segundo as fontes oficiais, a cidade reúne mais de 150 empreendimentos tecnológicos criados por empreendedores que vão estudar ou são da própria cidade. Daí nasceram eventos como o Hacktown, que coerentemente celebra a inovação em um lugar pra lá de inovador. Também me impressionou o fato de que, mesmo sendo uma cidade pequena, a população de Santa Rita tem uma forte conexão com o mundo. Muita gente morou fora, viagens internacionais a trabalho são frequentes, e imigrantes (a maioria com alto nível educacional) enriquecem esse lindo ecossistema.

3 - A INFRAESTRUTURA

Santa Rita tem um visual mineiro e interiorano, com casarões antigos e cavalos em suas ruas estreitas, que acabam escondendo uma infraestrutura impressionante. É ali que fica um dos melhores teatros do Brasil e abriga tanto shows e apresentações criadas na cidade (isso mesmo... Santa Rita hoje em dia “exporta” música, dança, arte urbana e teatro) quanto espetáculos de grandes artistas que atraem gente de todas as cidades vizinhas que tem em Santa Rita sua capital cultural. Espaços para artes e palestras não faltam, e com isso o número de conferências e eventos sediados em Santa Rita só cresce.

Mais interessante foi saber como tudo isso começou. Foi iniciativa de uma mulher (isso mesmo!) antes do assunto empoderamento feminino entrar em pauta. Em meados do século XX, uma cidadã chamada Sinhá Moreira, ao ver uma palestra em que o físico Albert Einstein disse que o futuro da humanidade seria a tecnologia, se antecipou a construiu a primeira escola de tecnologia do país, que acabou gerando uma universidade impressionante chamada INATEL, com um campus lindo aberto para usufruto da população de Santa Rita exatamente como nas cidades europeias. É apaixonante!

4 - A NATUREZA

As amizades que fiz nas minhas viagens à Santa Rita foram meus guias. Conheci muitos locais lindos que ficam praticamente impossíveis durante o período do Hacktown pois exigem muito tempo para visitar. Fomos em uma piscina natural linda, escondida em uma fazenda. Fomos na pista de voo livre considerada umas das melhores do mundo e  atrai praticantes do mundo inteiro à cidade. Fizemos caminhada por lindas estradas rurais. Assistimos ao pôr do sol de uma linda montanha que fica no centro de Santa Rita, e ainda vi a revoada das garças no rio, que não canso de apreciar. Nas conversas de café, pude perceber que os moradores realmente se orgulham da natureza que tem ao seu redor e praticam muitos esportes de aventura. É um dos principais pontos que destacam na cidade.

Outra ligação forte de Santa Rita com a natureza são suas pousadas. Até hoje só me hospedei em AirBnB, mas confesso que fiquei com muita vontade conhecer a Pousada do Barão (só vi em fotos) e o Chalezinho, que fica no alto de uma montanha e tem a visão mais privilegiada de Santa Rita. É de tirar o folego. Imagino que existam outras, já que a cidade recebe muitos visitantes o ano todo e muito mais no seu famoso carnaval.

5 - A GASTRONOMIA

A população multicultural de Santa Rita reflete também na suas gastronomia. Além da comida mineira (maravilhosa!), é fácil encontrar comida de outros lugares do mundo, como o Karee Raisu, prato japonês à base de Curry que comi três vezes em um excelente restaurante próximo à pracinha, raro de encontrar até aqui em São Paulo. Destaco também a Casa do Pi, bistrô de nível internacional, que faz frente aos melhores aqui do Jardins.

A única coisa que senti falta indo a Santa Rita fora do período do Hacktown foi a vida noturna. Esperava ver e descobrir festas descoladas, com bandas e DJs, como acontece durante o evento, mas não encontrei sequer um show decente no período em que estive lá. Segundo amigos, tem a ver com a época do ano. Pelo que me disseram, na época de aulas da universidade, há muitas festas e shows com uma pegada alternativa, do jeito que gosto! Também existem muitos outros festivais menores, que quero pesquisar mais.

Enfim... o estilo diferente e inovador de Santa Rita do Sapucaí conquista qualquer um que vai até lá. Me diverti muito em todas as vezes que estive pela cidade. É apaixonante!

Em breve farei um roteiro completo com todos os lugares que já fui e que pode facilitar o roteiro da sua viagem!