You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
90% dos assaltos aos condomínios acontecem pela porta da frente. Novas tecnologias surgem para diminuir este número

90% dos assaltos aos condomínios acontecem pela porta da frente. Novas tecnologias surgem para diminuir este número

Rondas por câmeras, chaves eletrônicas habilitadas por geolocalização e recursos de biometria aumentam o índice de confiabilidade dos moradores

Klift Kloft Still, a porta se abriu! Na década de 90, o programa infantil Castelo Rá Tim Bum fez sucesso com um porteiro robô que pedia uma senha a quem pretendia entrar no castelo. Na época ninguém poderia imaginar que um dia o serviço usado em condomínios, funcionaria de forma eletrônica. A diferença é que o porteiro humano ainda existe, só não fica mais na guarita, exposto aos riscos. Hoje, os controladores de acesso podem trabalhar à distância com câmeras conectadas a uma central de atendimento, que monitora a entrada e a saída do estabelecimento durante 24 horas.

Se na ficção era fácil matar a charada e convencer o porteiro a abrir a porta dando pulinhos ou piscando apenas um olho, na vida real e com as novas tecnologias, a história é bem diferente, é o que explica o CEO da empresa de segurança Peter Graber, Leandro Martins. Segundo ele, cerca de 90% dos assaltos aos condomínios residenciais acontecem pela porta da frente, onde o porteiro muitas vezes está em posição vulnerável e é rendido ou acaba abrindo a porta para alguém com rosto familiar. “O sistema remoto ajuda a aumentar a segurança pois tira o porteiro da área de risco e de quebra ainda reduz em até 60% os gastos com portaria, pois elimina folhas de pagamento”, garante.

Chave eletrônica

Quando o prédio possui portaria remota, as pessoas não cadastradas conversam com o porteiro a distância para serem autorizadas a entrar no ambiente. Já quem é parente, amigo e marcou a visita com antecedência pode baixar o app da empresa e utilizar uma chave eletrônica habilitada por geolocalização. “Quando o visitante se aproxima do condomínio a chave é habilitada”, explica Martins.

Biometria

Além do App, outro recurso que é bastante usado pelas empresas de segurança é a biometria. com o avanço da tecnologia, diversos métodos de identificação foram desenvolvidos, sendo o mais utilizado a identificação da digital que facilita e agiliza o acesso direto do morador ou de pessoas íntimas, sem o uso de chaves ou tags, minimizando o tempo de espera e os riscos que as pessoas correm quando ficam paradas na porta.

Ronda virtual

Em ambientes estratégicos, o monitoramento de imagem pode ainda ser feito com câmeras inteligentes que ajudam a proteger objetos de maior valor, como automóveis, por exemplo. Qualquer atitude suspeita alerta a equipe na central de monitoramento, que analisa as imagens e, se for o caso, chama a polícia. "No Brasil 99% dos alarmes são disparados de forma acidental. Por isso, a polícia prioriza quem tem imagem", finaliza Martins.

Sobre a Peter Graber

Criada pelo empresário Peter Graber, pioneiro em alarmes monitorados no Brasil e fundador do grupo Graber que virou referência em segurança eletrônica no País a partir de 1980. A empresa oferece o que há de mais moderno e avançado em tecnologia de alarmes e portaria eletrônica no Brasil. Com serviços inovadores, tem como missão aumentar a segurança e tranquilidade que quem opta por viver em condomínio, por um preço mais justo e acessível. Para saber mais: www.graberalarmes.com.br