You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

A Covid-19 realmente transformará a Educação Básica brasileira?

Jeanfrank T. D. Sartori*

A atual pandemia, de proporções nunca vistas por esta geração, tem promovido um inegável incremento no uso de tecnologias educacionais – ainda que com pouca inovação – o que trouxe uma certa onda de otimismo de que o processo ensino-aprendizagem, especialmente na Educação Básica, finalmente sofrerá a disrupção tão esperada e profetizada, apesar do eterno conflito entre teoria e prática. Mas transformar o temporário em perene pode não ser um caminho tão natural assim, tampouco o único desdobramento possível.

Primeiramente, há de se reconhecer que grande parte das implementações foram de improviso, à exceção de um seleto grupo de instituições. Apesar do ensino remoto na Educação Básica encontrar muitas barreiras legais no Brasil – temporariamente relaxadas, mas que possivelmente serão posteriormente restabelecidas –, o uso de grande parte de suas ferramentas de modo complementar ao ensino presencial nunca foi impedido, sendo inclusive estimulado. Ter um canal online para tirar dúvidas com os professores, disponibilizar conteúdos produzidos pelo professor (não aqueles padronizados e distribuídos pelos sistemas de ensino) e criar vídeos para tirar dúvidas mais coletivas da turma, por exemplo, nunca foram proibidos, ainda assim eram muito pouco utilizados até há poucos meses. Prevaleceu aquela triste realidade de que a sala de aula pré-pandemia em muito pouco se diferenciava daquela de 100 anos atrás: um professor, um quadro e um grupo de alunos.

De modo geral, observou-se uma corrida contra o tempo na implantação de ferramentas (curiosamente abundantes e acessíveis de longa data), treinamento de professores, orientação de pais e alunos. E tanto nas escolas públicas quanto privadas, o aspecto financeiro tem pesado. Se numa depende-se de disponibilidade orçamentária em época de redução drástica de arrecadação, na outra a pressão por descontos no valor das mensalidades e o cenário pouco previsível também limitam muito a capacidade de investimento nessa migração. Tem-se, assim, uma abordagem muito mais de apagar incêndio do que de implementações duradouras que contemplem o longo prazo.

Há de se levar em consideração ainda, como bem discutido em diversas reportagens recentes, as diferenças socioeconômicas não apenas entre os discentes das diferentes redes de ensino e escolas, mas também entre os alunos, individualmente. Nem todo estudante possui computador ou smartphone com bom acesso à internet suficiente, por exemplo, para participar de uma aula ao vivo via streaming. E as mesmas desigualdades podem ser observadas entre os docentes e técnicos, constituindo um desafio adicional.



Os efeitos dessa desigualdade são percebidos em todo o mundo, inclusive em países desenvolvidos, mas será – e já está sendo – especialmente intenso no Brasil por conta dos nossos problemas históricos. E a crise econômica que virá logo em seguida – vide a recém-divulgada queda histórica do PIB dos EUA no 1.º trimestre – tornará esse abismo maior e, por consequência, reduzirá ainda mais a capacidade de investimento das instituições de ensino públicas e privadas.

Outro fator igualmente relevante é o tema da inclusão, que ainda está longe de estar plenamente equacionado sequer na educação presencial. Aqui enfrenta-se uma quebra de rotina e do vínculo entre educando e educador, que são ainda mais importantes para esses discentes, o que torna mais difícil a busca e a efetivação de uma educação igualitária nesse cenário em que se está consertando o avião em pleno voo. Os efeitos são percebidos também em casa, uma vez que os pais nem sempre estão prontos para prover em sua completude o apoio ao aprendizado durante o isolamento. E uma situação análoga ocorre para as crianças da Educação Infantil e Ensino Fundamental I, nos quais a modalidade remota mostra-se pouco viável.

Apresenta, ainda, os aspectos comportamentais vinculados a um status que envolve professores, pais, alunos e gestores escolares em uma organização organizacional - valores, crenças, rituais e normas compartilhadas - que formam uma força que naturalmente resiste à mudança e realiza uma promoção como coisas de volta para o "normal". É uma das tarefas mais difíceis de promover a transformação que molda a forma de pensar e agir das pessoas, sem alterar significativamente o processo de ensino-aprendizagem que será perene.

Basta notar como não é um número de reclamações de pais e professores após alterações, muitas vezes apenas por fatos de alterações apenas no modo de operação ao qual já estão habituados. Na verdade, prevalece como certo desejo, explícito ou não, que simplesmente tudo volta a ser como antes. Cada dificuldade acaba se tornando uma nova justificativa em vez de ser visto como um desafio a ser vencido em um benefício maior.

Uma crise tão intensa e inesperada como experimentar, fatos, uma força capaz de promover transformações. Mas, para ser capaz de estabelecer, em um nível superior, um novo ponto de equilíbrio para a Educação Básica Brasileira, haverá uma convergência de estresse, muitos dos quais, infelizmente, são limitados - e permanentes por um longo tempo - pela própria crise, como as questões econômico-financeiras. Ironicamente, talvez os efeitos da pandemia sejam prolongados por mais tempo do que o previsto atualmente, como uma necessidade de manutenção do isolamento social e a suspensão das aulas, aumentada como chances de uma alteração de menos outras mudanças.

* Jeanfrank TD Sartori, mestre em Gestão da Informação (UFPR), especialista em Inteligência de Negócios e Bacharel em Administração (UFPR), atua no setor de Controladoria Acadêmica e Qualidade do Grupo Positivo em Curitiba / PR.

Top stories in your inbox!