You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
A LGPD, os serviços wi-fi e o futuro dos dados

A LGPD, os serviços wi-fi e o futuro dos dados

Por Walter Sabini Junior

Os recentes escândalos de vazamentos de dados em redes sociais fizeram com que a maioria dos países apressassem suas resoluções para garantirem uma proteção maior à privacidade dos usuários. Em maio, por exemplo, a União Europeia regulamentou a lei conhecida como GDPR. Três meses depois, o governo brasileiro sancionou a Lei Geral de Proteção aos Dados para garantir uma maior transparência no trato com as informações digitais. Entretanto, diante dessa preocupação necessária, fica a indagação: qual o impacto dessas medidas em serviços que necessitam de redes wi-fi e que trabalham justamente com a troca de dados?

Hoje, é impensável imaginar o mundo sem as vantagens permitidas pela conexão sem fio. Dos smartphones ao próprio ato de consumo, nossa vida nunca mais foi a mesma: temos mais informações à disposição, nossos objetos estão cada vez mais conectados e diversos hábitos do nosso dia a dia foram automatizados e otimizados pelos equipamentos “inteligentes” que também se comunicam entre si. No entanto, para tudo isso acontecer, é necessária justamente a troca de informações sobre o comportamento dos usuários.

O compartilhamento de dados não chega a ser um problema para os brasileiros. Pesquisa da Kaspersky Lab, em 2017, mostra que 96% dos usuários do país compartilham suas informações digitalmente e 49% dos presentes em redes sociais deixam seus perfis no modo público. Além disso, 3% dos entrevistados ainda admitiram que compartilham dados confidenciais com pessoas que não conhecem, ignorando todas as recomendações de segurança digital.

Se o compartilhamento não chega a ser um incômodo, a sensação de impotência diante da falta de transparência na forma como estas informações são trabalhadas é o que irrita os cidadãos – e explica a busca por uma regulamentação. Muitas empresas abusam da confiança do usuário e disponibilizam seus dados comportamentais e demográficos a outras organizações sem a anuência do indivíduo. Ou pior, são coletados e armazenados sem que as pessoas fiquem sabendo. Uma experiência negativa já é suficiente para quebrar a confiança em todo o sistema.

Por outro lado, essas informações são vitais para as empresas aprimorarem a gestão e oferecerem os melhores produtos e serviços aos clientes. É inegável que uma boa experiência de compra passa pela capacidade da loja de entregar aquilo que a pessoa procura no momento certo e com uma ação adequada – o que só é possível a partir da análise de informações comportamentais coletadas anteriormente. No varejo físico, por exemplo, sensores conectados ao wi-fi trazem relatórios importantes sobre o fluxo de visitantes do local, permitindo a adoção de estratégias mais acuradas e condizentes com seu público-alvo.

Portanto, em um cenário em que a proteção aos dados tornou-se parte importante da discussão pública, cabe aos empresários terem bom senso para continuarem aperfeiçoando seus negócios a partir das informações digitais das pessoas. Na era da conexão wi-fi, é imprescindível ter um perfil completo de seus clientes. Por isso, respeite a privacidade dos usuários, trabalhe apenas com dados coletados de forma segura e honesta e, principalmente, transforme todo esse conteúdo em experiências positivas para as pessoas.

*Walter Sabini Junior é sócio-fundador da FX Retail Analytics, empresa que oferece inteligência para o varejo por meio do monitoramento de fluxo.

Sobre a FX Retail Analytics:
A FX Retail Analytics oferece uma solução inovadora para ajudar o Varejo (Lojas, Shopping Centers, entre outros) a monitorar o comportamento dos consumidores que transitam dentro e fora dos estabelecimentos. Por meio de tecnologia proprietária (câmera e WIFI), é capaz de monitorar e informar a quantidade de visitantes, taxa de conversão, horas quentes, tempo de permanência, atratividade de vitrine, entre outros indicadores, permitindo que decisões estratégicas sejam tomadas com mais precisão. Para mais informações, acesse: www.fxdata.com.br

Informações à imprensa – FX Retail Analytics
NB Press Comunicação
Marina Amaral
(11) 3254.6464
fx@nbpress.com

Top stories in your inbox!