A tecnologia por traz do novo modelo de negócios do varejo brasileiro

2 months ago

Inovações tecnológicas auxiliam indústrias e varejos a terem mais eficiência operacional e a proporcionar experiências melhores aos consumidores

A tecnologia está transformando a cadeia de consumo. Mudou a forma de comprar, de vender e de produzir. Automatizou rotinas, reduziu erros e melhorou a produtividade de operações que muitas vezes eram dependentes de processos manuais e pouco escaláveis.

De modo geral, as inovações tecnológicas estão reconfigurando o varejo brasileiro e transformando processos tradicionais. Acompanhar essa revolução tecnológica no curto prazo é fundamental para que haja um longo prazo e, diante desse contexto, investir em novas soluções é uma ação importante para diminuir custos e aumentar receitas.

Seja para cadastrar, precificar, repor ou indicar a localização de mercadorias: opções não faltam para que as indústrias e os varejos brasileiros tornem suas operações mais eficientes e competitivas por meio da tecnologia. Por isso, elencamos quatro soluções que têm em comum a missão de automatizar processos que demandavam tempo e geravam custo para o varejo brasileiro. Confira:

Cadastro automatizado de produtos

O cadastro é a base para operações varejistas, por isso é fundamental que ele seja completo, correto e sempre atualizado. Apesar da sua importância, ainda é um desafio para indústrias e varejos. Por um lado, a demanda de consumidores por informações e imagens aumenta a cada dia. Por outro lado, o processo de cadastro permaneceu por muito tempo inalterado, essencialmente manual e exposto à inúmeras inconsistências que, em algum grau, comprometem a eficiência de processos e a competitividade de indústrias e varejos. Esse cenário foi alterado com a entrada da tecnologia da Simplus, empresa especializada na captura, validação, gestão e distribuição de informações e imagens de produtos omnichanel, que conecta indústrias e canais de distribuição através de conteúdo com garantia de qualidade.

Tecnologia para precificar mercadorias

O preço de uma mercadoria está diretamente relacionado ao lucro obtido com ela, por conta disso é muito importante que ele seja adequado ao mercado. O problema é que estabelecer esse valor sempre foi um desafio para as indústrias e para os varejos porque não havia uma metodologia até então. Foi diante desse contexto que a InfoPrice desenvolveu um hardware para facilitar e ter maior eficiência no monitoramento de preços e promoções dos concorrentes no varejo físico e, com isso, ajudar indústrias e varejos a melhorarem suas margens, aumentar suas vendas e definir melhor suas estratégias de pricing.

Plataforma de reposição automatizada de produtos

Garantir a disponibilidade dos produtos nas prateleiras de supermercado nunca foi uma tarefa fácil para as indústrias e varejos brasileiros porque esse abastecimento era realizado de forma manual. Até que surgiu a Anthor, uma plataforma de reposição de mercadorias no varejo, na qual as próprias indústrias solicitam a atuação de colaboradores que residem na cidade do varejo que precisa de reabastecimento. Com isso, além de acelerar o processo de reposição, as empresas diminuem tempo e gastos com deslocamento.

Localizador de produtos

Quem nunca ficou com vontade de experimentar um produto que acabou de ser anunciado na televisão e nas redes sociais e ficou frustrado porque não encontrou no supermercado mais próximo? Essa cena é mais comum do que parece. Mas não deverá se repetir para os clientes das empresas que contam com o localizador de produtos Gofind, que informa o consumidor onde ele pode comprar o produto mais perto dele. Essa ferramenta, que também ajuda as indústrias a reduzirem a ruptura, é muito útil para os consumidores que têm restrições alimentares e dificuldade para encontrar produtos sem glúten, lactose, entre outros ingredientes.

Resistência à transformação

A revolução tecnológica é um caminho sem volta. Isso porque os ganhos obtidos com as inovações tecnológicas são inúmeros a curto, médio e longo prazo. Apesar disso, a ausência de uma cultura de inovação ainda é um dos principais obstáculos a ser vencido.

“Nos cargos mais altos existe uma inquietação muito grande em busca de inovações, pois os executivos estão muito preocupados com seus negócios e sabem que sem inovação morrerão. Já nos cargos mais baixos existe grande resistência à inovação”, revela Guido Jakson – CEO da Anthor.

É por isso que, em vez de concorrerem, as empresas de tecnologia têm se unido para entregar soluções cada vez mais completas e driblar as resistências. A base de cadastro da Simplus, por exemplo, se tornou fonte oficial de informações e imagens de produtos de muitas plataformas e aplicativos desenvolvidos para o mercado brasileiro.

“Se a gente voltar um pouquinho no tempo e analisar as inovações que transformaram o mercado, como Uber, Netflix e IFood, vamos perceber que essas empresas também enfrentaram alguma resistência até se consolidarem, então, é natural que o mercado tenha esta reação a propostas como a nossa. Mas, eu tenho certeza que em pouco tempo as indústrias e os varejos também vão se perguntar como sobreviviam sem a automatização desses serviços. Algumas já estão nesta fase”, reflete Wellington Machado – CEO da Simplus.
Camila Nunes

Published 2 months ago