You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

A união que impulsiona o mercado de energia solar

Gabriel Guimarães - diretor da SolarVolt Energia Solar

O Brasil acaba de entrar para o grupo dos dez países que mais geraram empregos no mundo no setor de energia solar fotovoltaica em 2019. A informação é do relatório divulgado em outubro pela Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA). Em oitavo lugar, o Brasil desbancou líderes históricos no setor, como Alemanha e Reino Unido.

Além disso, a geração distribuída teve um aumento de 77,83% no primeiro semestre de 2020, se comparado com o mesmo período do ano passado. De acordo com levantamento realizado pelo Canal Solar, com base em dados da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), de janeiro a junho de 2020 foram registrados 956.807 kW de potência instalada no país.

Dá para ver que estamos vivendo um bom momento com grandes e positivas expectativas para o setor de energia solar fotovoltaica. Ouso dizer que parte disso é reflexo do empenho das empresas brasileiras atuantes no setor. De dentro de um importante grupo de empresas que têm o propósito de impulsionar o crescimento e o fortalecimento das relações institucionais através da cooperação, posso afirmar que a troca das boas práticas tem trazido resultados reais.

Estou falando da Associação Brasileira Grupo G5 Solar, um grupo fundado por nós, da SolarVolt e outras quatro empresas em 2017, todas trabalhando com eficiência energética e que se uniram para expandir a presença no mercado brasileiro por meio da cooperação. Hoje, somos já 8 empresas que, juntas, temos mais de 5 mil usinas instaladas em todo o território nacional, somando uma potência em torno de 200.000 kWp, nos segmentos residencial, comercial, industrial e agro.

Então, não é novidade que a cooperação entre empresas tenha saldo positivo tanto para elas mesmas quanto para o setor em que estão inseridas. Ao compartilhar ideias, aprendemos com o erro do outro e alertamos sobre nossos próprios erros. Consequentemente, contribuímos também para o crescimento rápido ao apresentar ideias que deram certo.

Nessa cadeia colaborativa, quando uma empresa cresce, a outra cresce junto e o setor como um todo é impulsionado positivamente.

A SolarVolt, empresa que dirijo, é exemplo disso. Ela aumentou seu faturamento em 500% em 2019 e, neste ano, mesmo diante de uma pandemia que baqueou diversos setores no mundo inteiro, continuamos crescendo e esperamos um faturamento de R$ 62 milhões em 2020.

Muito além de mostrar o velho clichê de que a união faz a força, provamos que a união traz resultado.

O uso de uma energia limpa e mais econômica é a tendência do agora que tende a ser permanente no futuro. Projetos voltados à produção de energia limpa já se mostraram os mais resilientes nos segmentos de infraestrutura, e as empresas estão de olho nisso.

Dessa forma, aperfeiçoar nossos conhecimentos e compartilhar cada descoberta nos traz chances de aproveitar cada movimento do setor. Além de nos munir das melhores soluções para que a oferta esteja de acordo com os interesses do mercado.