You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Agrosmart foca em atuação internacional e amplia áreas de atuação

Agrosmart foca em atuação internacional e amplia áreas de atuação

O ano de 2018 promete ser de mais expansão para a Agrosmart. A startup de monitoramento de plantações está focada em atuação internacional, em países como Peru, Colômbia, México e Argentina, e ampliou a atuação para o segmento corporativo, voltado para a cadeia de alimentos e agroindústria.

Com uma equipe de 35 profissionais, a Agrosmart monitora, hoje, mais de 110 mil hectares por todo o Brasil. O crescimento em área monitorada entre 2017 e 2018 foi de nada menos que 400%. As novidades pensadas para este ano fazem com que as expectativas seja de mais crescimento neste ano.

Segundo a CEO da startup, Mariana Vasconcelos, o mercado nacional está mudando, e a aceitação de soluções tecnológicas ganha cada vez mais espaço. A empresa, uma das pioneiras no ramo, tem clientes em todas as regiões do país, e aposta em mais espaço nos próximos anos.

“Quando começamos, ninguém falava nisso, era algo muito novo para o produtor e também para as outras pessoas. Hoje, isso não é algo visto mais com muita estranheza, até porque muitos dos produtores já utilizam esse tipo de tecnologia. Acredito que muito em breve a agricultura digital será disseminada em praticamente em todas as fazendas”, afirma.

Filha de produtor rural, Mariana conta que sempre acompanhou os desafios do dia a dia do campo. Formada em administração de empresas, encontrou, em 2014, uma forma de integrar a tecnologia à agricultura. A CEO explica que a ideia foi mudar a rotina das tomadas de decisão, que muitas vezes eram baseadas em intuição e no conhecimento passado de geração em geração.

“Eu percebia a necessidade de ter fatos concretos e de entender melhor o ambiente, para tomar decisões que realmente correspondessem às necessidades da lavoura”, afirma. “Muitas vezes, o produtor gosta, entende, mas não adota novas tecnologias, por ter um certo receio com modelos de vendas que não está acostumado”, complementa.

“Temos trabalhado bastante na educação desses produtores e no modelo de vendas baseado em serviços e não no modelo de vendas de equipamentos, como o produtor estava acostumado. Isso está evoluindo rápido e eles estão entendendo como as ferramentas de agricultura digital podem ajudá-los. Outro desafio é na distribuição. O setor geral da agricultura exige uma logística mais complexa. Contamos com distribuidores parceiros corporativos, mas também com revendas regionais, para que possamos ganhar capilaridade e atingir mais produtores”, encerra a CEO.

Top stories in your inbox!