You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Ball adota Realidade Virtual criada no Vale da Eletrônica

Ball adota Realidade Virtual criada no Vale da Eletrônica

Sistema que utiliza tecnologia para treinar funcionários da indústria é fruto da parceria entre multinacional e alunos do Instituto Nacional de Telecomunicações

Agilidade na produção e segurança dos funcionários. Esses são os principais objetivos de um projeto desenvolvido por dois alunos Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), localizado em Santa Rita do Sapucaí, cidade mineira conhecida como o Vale da Eletrônica. A iniciativa, feita em parceria com a empresa norte-americana Ball, resultou em um Sistema de Treinamento de Realidade Virtual (VR) em ambiente controlado. Durante um ano, os estudantes modelaram um ambiente de VR capaz de treinar funcionários sobre como operar uma máquina utilizada na indústria para a produção de três milhões de latas por dia.

O gerente de produção da Ball, multinacional conhecida por sua produção inicial de frascos de vidro, tampas e produtos relacionados usados ​​para conservas domésticas, Rafael Teixeira Monteiro, explica que o objetivo é utilizar de todos recursos disponíveis para otimizar os treinamentos e capacitação dos funcionários, mesmo antes de entrar no chão de fábrica, e o projeto desenvolvido pelos alunos do INATEL é um passo a mais para atingir este objetivo. “A iniciativa propôs uma plataforma de treinamento realista, em que o operador pode simular manutenções ou conversões de máquinas virtualmente, se capacitando previamente para executar uma atividade real. Prever possíveis erros, aprender a mecânica geral do equipamento, estimar o tempo da atividade de cada operador, são ganhos que sem a plataforma de VR só seria possível com a “mão na massa”, afirma.

O aluno de Engenharia de Controle e Automação do Inatel, Lucas Sales de Oliveira Almeida, integrou a equipe que desenvolveu a solução e atualmente faz estágio na multinacional. “A pesquisa e o desenvolvimento foram uma oportunidade incrível de aprendizado de tecnologias de ponta integrando programação e modelagem. Projetos que trazem problemas reais da indústria são desafiadores e exigem grande responsabilidade na execução. É muito gratificante saber que o esforço desse trabalho resultou em um estágio nessa empresa de grande porte, dando sequência a este projeto". Além de Lucas, o estudante de Mateus Vinícius Cirino também participou do projeto, que contou com a orientação dos professores Renzo Mesquita, João Paulo Henriques e Alexandre Baratella.

Top stories in your inbox!