You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
CLM University compra o primeiro servidor de borda 
da América Latina para o Laboratório IoT/5G

CLM University compra o primeiro servidor de borda da América Latina para o Laboratório IoT/5G

Objetivo do investimento no laboratório de Cibersegurança, desenvolvido em conjunto pela A10 e CLM, é ter os meios necessários à formação de canais, diante dos tremendos desafios de segurança gerados pelo uso crescente do IoT e do 5G

A CLM University, dentro do seu programa de investimentos, adquire para o Laboratório de Cibersegurança Iot/5G, lançado recentemente pela CLM e A10 Networks, o primeiro Servidor de Borda Lenovo vendido na América Latina.

Trata-se do Lenovo Edge SE350, desenvolvido para lidar com grande variedade de cargas de trabalho, como infraestrutura de TI, colaboração, nuvem de entrada e a Internet das Coisas, impulsionadas pelo 5G.

O objetivo do investimento é garantir os meios necessários para a formação dos canais de vendas da CLM, uma vez que o Laboratório de Cibersegurança CLM/A10 para IoT/5G foi criado para capacitar o ecossistema a lidar com os desafios de segurança da informação em redes distribuídas, com dispositivos de IoT conectados, via tecnologia 5G.

O country manager da A10 Networks no Brasil, Ivan Marzariolli, explica que o investimento permitirá ao laboratório atingir mais rapidamente seus objetivos, especialmente na capacitação do ecossistema nos problemas de segurança do 5G e IoT e nas soluções especificas de segurança 5G da A10.

Rodrigo Guercio, presidente da Lenovo Data Center Group, enfatiza a parceria com a CLM e apoia sua estratégia de capacitação de canais nas novas tecnologias que formarão a infraestrutura da transformação digital acelerada pela qual passa o mundo.

Vale lembrar que o 5G, com sua maior largura de banda, velocidade e inteligência, impulsiona a Internet das Coisas, com mais e mais dispositivos conectados, o que resulta em uma explosão de dados. Da mesma forma, traz desafios de segurança gigantescos para as empresas, uma vez que ataques podem ser iniciados a partir de qualquer dispositivo infectado tanto externa quanto internamente. Em matéria de intrusão, não se trata apenas do número e heterogeneidade dos dispositivos, mas também de seus requisitos de desempenho e composições de perfil exclusivos, sendo imprescindível diversas políticas para gerenciá-los de uma perspectiva de visibilidade de segurança. “Estamos falando de um novo nível de visibilidade para ajustar o desempenho e o acesso dentro dos requisitos de segurança. Não se pode esquecer que os dispositivos IoT serão alvos e origem de vários ataques, como DDoS,” lembra o fundador da CLM, Francisco Camargo.

Ainda segundo o executivo, a heterogeneidade de equipamentos, de centenas de diferentes fabricantes, em dezenas de localidades, a falta de padronização, a falta do conhecimento das vulnerabilidades, é um verdadeiro pesadelo para os CISOS das organizações.

O Laboratório é parte da CLM University  www.CLM.University. “Essa iniciativa visa equipar a CLM University com cada vez mais recursos para a formação do seu ecossistema para a era da transformação acelerada,” finaliza Daniela Porto, líder da CLM University.

O servidor de borda começou com o edge computing. A computação de borda (edge computing) é um paradigma de computação distribuída que aproxima a computação e o armazenamento de dados no local onde eles são necessários, para melhorar os tempos de resposta e economizar largura de banda. Depois, ela evoluiu para equipamentos em que seja fácil conectar vários dispositivos por vários canais diferentes, que é o caso do IoT.

Como são equipamentos que não vão ficar em ambiente protegido de Data Center, mas em fábricas e escritórios remotos, eles são “RUGGEDIZED” que poderia ser traduzido como reforçados, mas é muito mais que isso. Eles são resistentes à poeira, calor, eventuais movimentos bruscos, variações de tensão e frequência elétricas etc.

É para uso em “campo”. Assim, eles têm que ser leves e compactos, mas ao mesmo tempo ter grande variedade de canais de entrada, que é o caso do Lenovo SE350:

•          Par trançado de alta velocidade

•          Fibra ótica (com GBICs)

•          WiFi

•          4G e/ou 5G

•          Bluetooth

•          NFC Near Field Communication

•          Etc.