You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Com LGPD em vista, Thales e CLM fecham acordo de distribuição

Com LGPD em vista, Thales e CLM fecham acordo de distribuição

Camilla Naccarato Alves reforça o time de segurança da CLM, com foco em Thales

Para dar respostas mais rápidas e efetivas ao aumento expressivo da demanda por soluções que respondam com alta acuracidade e adequação ágil às exigências impostas pela entrada em vigor da LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados, a CLM, distribuidora latino-americana de valor agregado, reforça seu portfólio e passa a distribuir as tecnologias de cibersegurança da Thales, gigante francesa de tecnologia que produz desde satélites até smartcards.

“A Thales possui as soluções mais avançadas de anonimização, pseudonimização e criptografiado mercado, permitindo uma adequação rápida das empresas à segurança necessária para a LGPD,” explica o diretor de produtos da CLM, Gabriel Camargo.

Para explorar todo potencial das soluções Thales, a empresa trouxe para o seu time Camilla Naccarato Alves, experiente gerente de produtos. Camargo explica que a demanda por soluções de segurança da informação, que já era alta, cresceu muito com a crise do novo Coronavírus. “Vimos a necessidade de reforçar a equipe com uma tarimbada intrapreneur, que pudesse dar vazão a estas frentes de cibersegurança e LGPD,” ressalta o diretor.

Camilla assinala que as soluções sob sua gerência são de excelente tecnologia e as melhores em suas áreas de atuação, citando além de Thales, AppGate, Barracuda, Cyberark e Radware.

“Minha função na CLM é atingir todo o potencial desses produtos, aumentando sua participação no mercado brasileiro. Vamos focar na capilaridade dos canais, explorando o que fazem de melhor e categorizando-os por região. O objetivo é cobrir o gap de atuação existente do fabricante e estar mais próximo dos parceiros de negócios. Desta forma, podemos desenvolver parceiros estratégicos de acordo com os objetivos de cada fabricante, apoiando-os não só na geração de demanda, mas principalmente em treinamentos, por meio da CLM University e gerando conteúdos voltados para atuação do canal,” conta Camilla.

Ainda segundo a gerente, a ênfase, no momento, é auxiliar as revendas e seus clientes a se adequarem tecnicamente à Lei Geral de Proteção de Dados. “Para isso analisamos as principais soluções para proteção de dados, criptografia, anonimização, identificação e monitoramento do acesso a informações sensíveis de clientes e visitantes,” assinala.

Camilla explica ainda que, no cenário criado pela LGPD as organizações devem estar comprometidas com a aplicação e exigências da Lei: definição, descoberta, catalogação, proteção e gerenciamento de consentimentos, para esclarecer o que a empresa pode armazenar, processar ou transferir desses dados pessoais.

“Isso nos abre muitas oportunidades para não só proteger os dados, mas também para mudar a cultura das empresas brasileiras, orientando não apenas os usuários, mas construindo ‘uma nova cultura’ de segurança para a realidade atual, com tecnologias relevantes e fortes no mercado. O papel da CLM é ajudar a levar essa nova cultura a todas as organizações ajudando nossos parceiros a redefinir suas ofertas para melhor atenderem seus clientes,” afirma a nova gerente de produtos da CLM.

Pandemia faz as demandas explodirem, na CLM

O diretor Gabriel Camargo conta que a CLM experimenta crescimento acelerado, com expressivo aumento de demanda por soluções de acesso remoto, criptografia e infraestrutura avançada, suprida em grande parte por Nutanix, Arista e A10. “Com o crescimento de teletrabalho vieram as preocupações com acesso seguro, auditoria e proteção contra ataques avançados, o que fez com que a procura por soluções de fabricantes como SentinelOne (EPP/EDR baseado em Inteligência Artificial), AppGate (Software Defined Perimeter), Varonis (auditoria e classificação de dados semiestruturados) e Cyberark (gerenciamento de permissões e privilégios) tivessem um salto significativo,” finaliza o diretor.