You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Como a COVID-19 impacta o ambiente tributário brasileiro

Marco Aurélio Pitta*

O efeito que a pandemia do coronavírus vem causando não tem precedentes. O isolamento social realizado pela maioria dos países e a expectativa de prejuízos econômicos jamais vistos tem tirado o sono de muita gente. Todas essas questões forçam os países ao redor do mundo a minimizarem o impacto na população e também nas empresas. Por isso, empresários e profissionais que os assessoram precisam ficar atentos a todas as mudanças que podem acontecer a qualquer momento.

Por conta de tudo isso, o ambiente tributário brasileiro está cheio de modificações. Questões que envolvem encargos trabalhistas não fogem à regra. Entre as principais mudanças já anunciadas que aliviam temporariamente o caixa das empresas estão: parcelamento dos recolhimentos de FGTS (previsto na MP 927/20); prorrogação de prazo para tributos do SIMPLES nacional (Resolução do Comitê Gestor do Simples Nacional n. 152/2020); redução temporária das alíquotas de IPI e Imposto sobre Importação para produtos médicos e sanitários, como álcool gel, por exemplo (Decreto n.º 10.285/2020 e Resolução Câmara de Comércio Exterior nº 17/2020); postergação de pagamento e previsão de parcelamento de débitos inscritos em dívida ativa (Portaria PGFN nº 7.820/2020); redução de alíquota de ICMS para produtos médicos e sanitários, como o álcool gel, em alguns estados (exemplo do Distrito Federal); postergação de pagamento de taxas municipais (exemplo de Belo Horizonte).

Além das postergações de tributos, também existem movimentos relacionados à postergação de validade de certidões e entregas de arquivos enviados para o Fisco, as chamadas obrigações acessórias, como por exemplo: a suspensão dos prazos processuais na Receita Federal até 29 de maio de 2020 (Portaria RFB 543/2020); a prorrogação do prazo de validade das Certidões (Portaria Conjunta RFB/PGFN Nº 555/2020); e a prorrogação de entrega de obrigações acessórias, como a Escrituração Fiscal Digital (EFD) em alguns estados  como Espírito Santo, Alagoas, Sergipe, Goiás e Ceará.

Observa-se que vários estados e municípios entenderam o tamanho do impacto e estão, aos poucos, se ajustando a este novo cenário. Mas uma grande expectativa das empresas se dá sobre a possível postergação de pagamento de tributos federais, o que mais impacta nas empresas atualmente. Essa possibilidade está prevista em uma Portaria da Receita Federal de 2012 (Portaria nº 12/2012) para casos de calamidade pública, prorrogando por até 60 dias o pagamento de impostos, sem juros e multas. Porém, necessita de regulamentação para entrada em vigor. Diversas entidades, entre elas o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), pleiteiam essa e outras atitudes do Governo Federal.

Diante da não manifestação do Poder Executivo sobre essa prorrogação, diversas empresas estão buscando, por meio de Mandado de Segurança, a obtenção desse benefício. O Governo Federal precisa agir rápido para ajudar as empresas, e esse seria um caminho que poderia evitar ainda mais a crise que o coronavírus está trazendo para o nosso país.

*Marco Aurélio Pitta é profissional de contabilidade, coordenador e professor de programas de MBA nas áreas Tributária, Contábil e de Controladoria da Universidade Positivo.

Top stories in your inbox!