You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Como o Setor Público pode acompanhar a Transformação Digital

Como o Setor Público pode acompanhar a Transformação Digital

Por Alex Vieira, Vice-Presidente da Squadra Tecnologia

O avanço da chamada Era Digital tem feito com que empresas de todos os portes e segmentos precisem lidar com uma constante busca por inovação, em busca de melhores resultados e maior competitividade. No caso do setor Público, as oportunidades são semelhantes. Estima-se que a aplicação efetiva de novas tecnologias renderia ao Governo Federal uma economia de 97% no total dos gastos com atendimento e serviços públicos, podendo ajudar na expansão do PIB brasileiro em pelo menos 5,7%. Por outro lado, o fato é que colocar esse cenário em prática está longe de ter os mesmos desafios de se aplicar a transformação digital em uma companhia privada.

Afinal de contas, é preciso ter a percepção que as mudanças no Governo envolvem uma estrutura enorme e complexa, recheada de departamentos que até hoje usam processos e sistemas arcaicos e totalmente incompatíveis com algumas tecnologias já comuns no mercado corporativo global.

Por isso, apesar dos avanços das atividades públicas ao longo dos últimos anos, a verdade é que há muito a ser percorrido do ponto de vista de tecnologia para o ajuste completo e adequado das ofertas públicas. De acordo com o Censo de Serviços Públicos da Administração Pública Federal, apenas 38% dos mais de 1,7 mil serviços públicos federais eram digitais em 2017. Apesar das ofertas disponíveis no mercado, existe uma carência de sistemas avançados no governo, faltando soluções que ajudem a gestão pública a ter mais eficiência e menores custos.

Para acelerar a implementação dessas mudanças, o Governo Federal vem lançando iniciativas para modernizar estruturas e processos dentro da iniciativa pública, como por exemplo, a Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (E-Digital). Investir em inovação e recursos alinhados com as demandas globais é imprescindível para diminuir a diferença entre o nível de tecnologia adotado nas empresas privadas, se compararmos com a estrutura dos órgãos governamentais.

Vale salientar, no entanto, que a digitalização dos processos é apenas uma das tarefas a serem cumpridas. É necessário também trabalhar a modernização dos serviços oferecidos, com opções alinhadas à atual dinâmica de evolução da sociedade, com maior disponibilidade, integridade e eficiência. A adoção de tecnologias apropriadas e o desenvolvimento de um novo e moderno conjunto de serviços certamente ajudarão na melhora do fluxo de informações entre as administrações federal, estaduais e municipais, e no combate à burocracia, pontos essenciais para gerar ganhos à economia, saúde, educação e segurança de todo o País.

O caminho para a melhoria real dos serviços públicos passa pela adoção de modernos sistemas, pela contratação de consultorias especializadas e pelo planejamento de um ambiente de colaboração abrangente que envolva o Governo e a sociedade privada como um todo. Afinal, com o apoio de especialistas e companhias preparadas para o desenvolvimento de inovações técnicas, os administradores públicos terão condições de entender melhor as possibilidades disponíveis no mercado e, assim, agilizar a modernização dos órgãos governamentais.

Ao se aproximar da iniciativa privada, o setor público poderá reduzir o tempo necessário para a criação, instalação e aprimoramento de soluções específicas para seus serviços. Muitas ferramentas e sistemas já estão disponíveis no ambiente privado e podem ser usadas como base para as ofertas do Governo. Estamos falando de soluções de Cloud Computing, Inteligência Artificial, Big Data, Machine Learning e Mobile, entre outros, que certamente agregariam valor à rotina interna das administrações públicas e ao atendimento dos cidadãos.

A colaboração entre empresas e administradores públicos pode representar ganhos de performance, promovendo a transformação digital e a implementação das iniciativas de transformação. Assim, o Governo terá a possibilidade de otimizar a curva de aprendizagem necessária para o desenvolvimento e a aplicação de projetos complexos de infraestrutura e segurança, garantindo qualidade em suas aplicações.

Outro ponto essencial é a própria participação da população neste processo de evolução. Garantir a presença dos cidadãos (clientes finais do governo, em resumo) potencializará a aplicação assertiva dos recursos de tecnologia e, ao mesmo tempo, maximizará a economia gerada pela virtualização dos serviços. Hoje, 63,3 milhões de brasileiros acima de 10 anos de idade não têm acesso regular à Internet e precisam de atendimento presencial para a resolução de qualquer tipo de demanda ligada ao Governo. Investir em propostas para cortar esse número, portanto, é uma solução para tornar os serviços digitais mais eficientes, atraentes e econômicos para o setor Público.

Por meio de parcerias público-privadas e da aproximação com as pessoas, o Governo tem a chance de avançar na Transformação Digital, fundamental para que o Brasil desenvolva seus serviços públicos e consiga entregar melhores condições à população, dentro de um contexto global que exige mais rapidez e inteligência. O desafio é investir em tecnologia e, ao mesmo tempo, em uma nova cultura voltada à digitalização dos serviços.

De forma prática e objetiva, a tecnologia ajudará as instituições do Governo brasileiro a terem mais eficiência e a enxugar seus custos de operação – dois componentes vitais para o sucesso de gestão pública. Há, hoje, uma série de opções à disposição que podem agregar em segurança e desempenho às mais diversas áreas do Governo. Resta saber, porém, como as políticas em torno desse tema permitirão que a real Transformação Digital aconteça.

Top stories in your inbox!