polinize, state of tech.

#beenews


Agrotech Autotech Co-working E-commerce Edtech Energia Eventos Foodtech Games Healthtech Lawtech Mediatech Serviços

Conheça a escola de inovação online que era um hobby e se tornou negócio

André Tanesi, sócio-cofundador da Descola, conta que não achava cursos com temas legais até que criou os próprios

Os cursos online são cada vez mais populares e atingem um público com perfil bastante variado. Porém, é possível observar que a modalidade é muito atrativa para as pessoas que já têm uma formação, frequentaram uma faculdade e estão em busca de algo novo. Novos alunos com idade entre 24 e 35 anos são os mais interessados em desenvolver novas habilidades e têm sido o perfil dominante na Descola, escola de inovação criada em 2013.

André Tanesi, sócio-cofundador da Descola, conta que a ideia surgiu de uma inquietação dele e dos outros fundadores de aprenderem coisas novas. “Não encontramos temas que achávamos tão legais e por isso começamos a criar nossos próprios encontros presenciais com temas que nos interessavam, como Gamification, Open Data e até Produção de Cerveja Artesanal”, conta.

O que começou em 2011 como um hobby entre amigos foi transformado em negócio. “Percebemos que havia muita gente querendo aprender coisas novas em cursos livres, mais práticos e rápidos”, diz Tanesi. Foi então que eles lançaram em abril de 2013 o site com diferentes cursos online.

A iniciativa oferece cursos como Design Thinking ou Storytelling em uma grande experiência de aprendizagem online. “Desenvolvemos uma metodologia própria para que ao final do curso o aluno saia com uma habilidade nova para aplicar na sua vida ou no seu trabalho, seja ela uma ferramenta, um modelo mental ou uma técnica”, explica o cofundador da Descola.

Descola e os desafios do ensino online

Após quatro anos do lançamento, ele acredita que ainda existe uma grande barreira quando o assunto é o ensino online. Porém, Tanesi afirma que houve um avanço em relação à essa modalidade. “Hoje o entendimento de que é possível aprender algo de qualidade à distância é muito maior do que quando lançamos a plataforma”, afirma.

De acordo com o empreendedor, a jornada ainda é longa. “Além dessa barreira cultural ainda temos importantes barreiras tecnológicas – em boa parte do Brasil ainda temos uma velocidade de conexão limitada – mas estamos felizes por fazer parte dessa geração de empresas que estão fomentando e mudando a concepção de educação online”, conta Tanesi.

Apesar das dificuldades, o negócio tem sido um sucesso e a Descola espera encerrar 2017 com mais de 30.00 alunos. “É um mercado que cresce acima da média e deve manter esse ritmo por alguns motivos – a tecnologia tende a ficar cada vez melhor e mais acessível, a defasagem educacional no Brasil ainda é imensa e as pessoas estão cada vez mais habituadas a aprender a distância”, afirma o cofundador da escola.

Sobre o futuro do ensino online, ele acredita que vão surgir novos players, com verticais diferentes, aprimoramento de tecnologias e modelos de aprendizagem e uma oferta ainda maior de conteúdos de todos os tipos.



comments powered by Disqus

Receba notícias no seu email!



Copyright © 2018 - polinize, state of tech.
W3C optimized - CC License.