You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
De autor paulistano, poema com 25 referências entra no Livro dos Recordes

De autor paulistano, poema com 25 referências entra no Livro dos Recordes

O mercado de autopublicação é um dos que mais cresce no Brasil e, com isso, escritores independentes estão se tornando ainda mais importantes para a cena da literatura nacional. Esse é o caso do paulistano Lucas Menezes, conhecido como Dybaile, autor do livro “Versos e Versões”, que entrou para o RankBrasil, a versão brasileira do Guiness Book, com o recorde de “Maior Número de Referências em um Poema”.

A obra “Meio Bossa Nova e Rock’n Roll” traz em seu texto 25 referências musicais nacionais e internacionais em apenas oito estrofes, o que fez com que Lucas se tornasse um recordista no “Guiness Book brasileiro”. O poema foi publicado e registrado oficialmente em 31 de agosto de 2017.

De acordo com Dybaile, mais do que eclético, colher inspirações em diversas fontes para sintetizar sua arte é poético. “O principal papel da poesia é despertar o interesse, a curiosidade e o amor”, comenta. Além disso, Lucas afirma que a música é capaz de despertar sentimentos em seus ouvintes, o mesmo que a poesia realiza em seus leitores. Para ele, o interessante no texto vencedor, foi unir ambas as coisas.

“Quem nunca teve vontade de se apaixonar ouvindo Cazuza? Quem nunca ficou revoltado com o governo ouvindo Rap? Quem nunca foi buscar uma referência antiga do samba ouvindo Marcelo D2? É esse amor, esse interesse e essa curiosidade que só a poesia é capaz de proporcionar”, destaca. Para ele, o poema vencedor do RankBrasil veio como um ‘desenredo da composição de Cazuza', como se a história daquela música tivesse uma continuação, um destrinchamento.


Dybaile comenta que inspirar outras pessoas a buscarem essas referências ao lerem seu texto foi a parte mais difícil na composição de seu poema. Ele cita Emicida ao dizer que ‘No fim das contas, fazer rima é a parte mais fácil’.


Para o autor, o recorde com o poema, é necessário para a cultura brasileira. “Meio Bossa Nova e Rock’n Roll” é uma contradição por si só: “Bossa é paixão, rock é revolta. É reflexo dessa antítese brasileira de amor e cólera, encontros e desencontros”, finaliza.


Leia o poema vencedor:

Meio bossa nova e rock'n'roll

Ela é uma Blitz na hora do Rush

No meio da Highway to Hell

De veludo com um revólver

Aponta a escada para o céu

Quer seu nome brilhando em Led

No corpo de um Zeppelin

E uma placa Metallica

Escrito “eu te quero só pra mim”

Ela discute signos, sou peixes

Dead Fish nas Águas de Março

Ela é Scorpions, decidida

Leva a sério, mas eu disfarço

Minha Queen mal sabe

Que Ultrajes rigorosos não me comovem

Ela me xinga, eu respondo: “U2”

E continuo sendo um Bon jovem

Mas eu lhe dou um Kiss

A gente esquece as Guns

Foca nas Roses

Que Ogum exime os afãs

Quando tudo estiver Red e Hot

Ela atinge na minha cama

O bpm da MPB

E o estado de Nirvana

Fica tudo no Bem Bom

Toco um love song

Acabou o chorare

You shook me all night long

Seu Nelson Motta deu a nota

Que hoje o som é rock'n'roll

E esse clipe sem nexo

Faz parte do meu show

Lucas Menezes (Dybaile)

Top stories in your inbox!