You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Diversidade em sala de aula é desafio para professores e estudantes

Com alunos de diversas personalidades, especialistas afirmam que dar a mesma oportunidade para todos não é a solução

Apesar de parecidas, o significado das palavras igualdade e equidade é diferente e muito importante de ser identificado em ambientes com grande diversidade, como uma sala de aula. De acordo com o dicionário Aurélio, equidade é a “disposição de reconhecer igualmente o direito de cada um”, uma descrição que ressalta a importância da individualidade de cada aluno no ambiente coletivo.

De acordo com a professora Paula Stechman Ribeiro, do Colégio Positivo Internacional, equidade é a palavra de ordem em sala de aula. Por meio desse princípio, o professor estabelece um objetivo em comum para a turma, mas de uma forma em que cada estudante possa criar o seu caminho para atingi-lo, respeitando suas características e afinidades. Segundo a professora, o principal ponto de partida para utilizar a metodologia é a sensibilidade. “O professor precisa desconstruir o tradicional e ter um olhar sensível para observar a personalidade e individualidade de cada aluno em sala”, explica.

A teoria da equidade ainda é novidade no Brasil e está sendo aplicada em poucas escolas. Por isso, muitos professores ainda têm dificuldades em colocá-la em prática. “As ferramentas são parte fundamental para essa metodologia, o profissional precisa de diferentes formas de aplicar as atividades para atingir todos os estudantes. É indispensável conversar com quem já testou coisas novas e deu certo”, ressalta Paula.

No Colégio Positivo Internacional, em Curitiba, o formato já rende resultados. Para a professora de Inglês Karina Resende Nativo, os alunos já demonstram evoluções. “É visível o aumento da satisfação e do interesse deles em aprender. Já tive relatos de pais que contam que os filhos chegam em casa querendo buscar novos temas e aprofundar o conhecimento. É essencial ouvirmos o aluno, mas mais importante ainda é responder os questionamentos individuais e ajudá-los no desenvolvimento de cada um a seu tempo e de acordo com os seus interesses”, finaliza.

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo compreende oito unidades na cidade de Curitiba, onde nasceu e desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo - Júnior, o Colégio Positivo - Jardim Ambiental, o Colégio Positivo -  Ângelo Sampaio, o Colégio Positivo - Hauer, o Colégio Positivo - Internacional, o Colégio Positivo - Água Verde, o Colégio Positivo - Boa Vista e o Colégio Positivo - Batel atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à Educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Em 2016, o grupo chegou em Santa Catarina - onde hoje fica o Colégio Positivo - Joinville e o Colégio Positivo - Joinville Jr. Em 2017, foi incorporado ao grupo o Colégio Positivo – Santa Maria, em Londrina (PR). Em 2018, o Positivo chegou a Ponta Grossa (PR), onde hoje está o Colégio Positivo - Master. Em 2019, somaram-se ao Grupo duas unidades da escola Passo Certo, em Cascavel (PR), e o Colégio Semeador, em Foz do Iguaçu (PR).

Top stories in your inbox!