You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Economista aponta seis desafios para depois da crise

O caráter mundial da pandemia, a parada na economia, a perda de empregos, a debilitação financeira das empresas e das famílias, o empobrecimento, a destruição temporária do convívio entre as pessoas e o dano psicológico são aspectos do cenário atual como nunca o mundo havia experimentado. "As dimensões do acontecimento são sanitárias, econômicas, psicológicas, sociológicas, políticas, religiosas, culturais, entre outras, que deixarão marcas para sempre em todos os setores", afirma o economista José Pio Martins, reitor da Universidade Positivo, que, entre as mudanças que vieram para ficar e outras que serão impostas à nova sociedade, enumera seis delas.

  • Aldeia Global

Essa expressão foi utilizada pelo filósofo canadense Herbert Marshal McLuhan, educador e teórico sobre comunicação. Para ele, o mundo caminharia para um mercado único e integração acelerada entre as nações. Segundo Pio Martins, há três causas essenciais para a formação da aldeia global: o aumento populacional, a revolução nas telecomunicações e o barateamento do transporte. "Atualmente, a quarta revolução tecnológica vem apressando a integração mundial e, se queremos a integração dos países para que todos desfrutem das conquistas da ciência e da tecnologia, a primeira lição é: devemos nos preocupar com o mundo inteiro, logo a fome na África e a miséria nas favelas do Brasil são problemas de toda a humanidade", pontua.

  • Desigualdade tolerável

Segundo o economista, a desigualdade de renda pode ser tolerável, desde que as camadas mais pobres tenham o necessário para uma vida digna. "Na Dinamarca, a mais pobre das famílias não condena os ricos, pois ela tem habitação digna, alimentação adequada, educação, saúde, assistência e lazer. Se a desigualdade resulta em hordas de pobres e miseráveis, ela não deve ser tolerada", justifica.

  • Meio ambiente

Em 1930, o mundo tinha 2 bilhões de habitantes. Em 2050, a expectativa é que tenha 9,5 bilhões. Segundo Pio Martins, quanto maior a população, maior deve ser o cuidado com a natureza. "Quando cresce a necessidade de meios de vida, crescem as exigências de respeito à natureza e preservação do meio ambiente, ressalta.

  • Consumo

De acordo com a FAO, agência das Nações Unidas preocupada em erradicar a fome, 10% de todos os alimentos consumidos no Brasil são desperdiçados, enquanto todos os dias 870 milhões de pessoas passam fome no mundo. O economista faz um alerta à população: "o consumismo atual é destrutivo e insustentável. O ser humano tem o desafio de aprender a tirar de fatores psicológicos e sociais as fontes de seu gozo, prazer e felicidade, e não do consumismo de coisas e mais coisas". Pio Martins acredita que este seja o desafio mais difícil de todos, porque trata de comportamento. "A humanidade incorporou o péssimo hábito de reverenciar e admirar a ostentação e o esbanjamento. Ricos e famosos extraem aplausos e adulação mais por quanto ostentam e esbanjam do que pela riqueza em si".

  • Distribuição de renda

Segundo o economista, o desemprego não deve ser admitido e, quando inevitável, uma renda básica deve ser garantida. Porém, ele adverte que não dá para confiar ao Estado a operação de arrecadar e distribuir. "Colocar dinheiro na mão do governo é receita certa para os recursos chegarem aos pobres pelas metades. Inchado, ineficiente e corrupto, o governo na maior parte do mundo usa o dinheiro público primeiro para pagar a si mesmo, suas mordomias, seu excesso de funcionários e castas abastecidas com salários, benefícios, aposentadorias e pensões milionárias", ressalta. Pio Martins cita ainda as recentes publicações sobre os salários, aposentadorias e pensões no governo, nos três poderes. "Existem categorias que ganham mal, entre elas estão professores e policiais. Mas, a lista de supersalários, aposentadorias e pensões milionárias é tão grande que é melhor inventar um mecanismo distributivo sem o governo, pois, como disse o Ipea, o governo é causa da desigualdade. O Estado tem que ser reformado; enquanto não for, é preciso achar outro mecanismo para fazer a distribuição", sugere.

  • Substituição do emprego pela tecnologia

Pio martins é enfático ao dizer que é ingênuo achar que os computadores vão tomar o lugar dos líderes. "Como disse o filósofo André Comte-Sponville, um computador pode resolver um problema, mas só um ser humano pode tomar uma decisão", cita. Segundo o economista, se a humanidade substituir os trabalhadores por robôs cognitivos, deve ser criado um tributo sobre os gastos para pagar salários aos que perderam a vaga para a máquina. "A ideia parte de um aspecto óbvio: robô não consome, logo não haveria por que produzir comida, roupas, livros, músicas, carros etc. Robôs não usam essas coisas. Eles só precisam de um botão que os liga e energia que os põe em movimento. A economia, o trabalho e a produção são para o ser humano e demais seres vivos ", finaliza.

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em ensino superior entre as IES do estado do Paraná e uma marca de reconhecimento nacional. Com salasde aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta, mais de 400 mil m² de área verde no câmpus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A instituição conta com três unidades em Curitiba (PR) e uma em Londrina (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de Graduação, centenas de programas de especialização e MBA, sete programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam mais de 3.500m². Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em www.up.edu.br

Top stories in your inbox!