Ele trouxe a realidade virtual ao Brasil e hoje atende as maiores multinacionais do país

Nos dias de hoje, está cada vez mais comum vivenciar experiências imersivas que nos permitam adentrar no mundo virtual e realizar atividades semelhantes às do mundo real por meio de tecnologias como a realidade virtual e aumentada, que vêm sendo aplicada em diversos setores. Aqui no Brasil não é diferente, todavia, nem sempre foi assim, afinal a introdução de tais tecnologias, ao menos no país, é recente e começou a acontecer graças à visão de profissionais como o Fábio Costa, fundador e CEO da Agência Casa Mais, empresa pioneira em produzir vídeos de realidade virtual no Brasil.

Tudo começou no ano de 2011 quando Costa, ao visitar um pub australiano, se deparou com um cinegrafista que possuía um aparelho com diversas câmeras coligadas produzindo vídeos em 360 graus. Embora o fundador já tivesse experiência em produzir fotos e vídeos, aquilo despertou sua curiosidade, pois se tratava de algo diferente de tudo o que ele já havia visto.

O empresário logo pensou em levar a tecnologia para o Brasil, mas não o fez devido ao alto custo: mais de 30 mil dólares, na época, afinal, tratava-se do primeiro aparelho do gênero. Mas o preço não foi motivo para que o empreendedor desistisse de seu sonho; ao chegar ao Brasil, juntou a sua equipe que era composta pelo empresário e mais um programador da Casa Mais Comunicação, agência de publicidade que havia acabado de fundar, e passou a estudar alternativas para produzir vídeos em 360 graus. A equipe, então, começou a fazer contatos com empresários internacionais que estavam começando a engatinhar nesse mercado e também viam esse futuro proeminente para a produção de vídeos 360. Após fecharem o primeiro acordo, a equipe passou a viabilizar o projeto em São Paulo.

Resolvidos os entraves, gravaram algumas cenas de vídeos 360 e lançaram um site em 2012. Nascia, então, a Casa Mais 360 (por conta dos vídeos 360) e, mais tardar, a Casa Mais Trade, especializada em trade marketing. Com essas 2 agências e a Casa Mais Comunicação, Costa resolveu abrir o Grupo Casa Mais. Mas, conforme sua empresa foi crescendo e ganhando notoriedade no mercado, resolveu unificar e criar a Agência Casa Mais.

Diante do desconhecimento sobre a tecnologia, a produção de vídeos de aniversários, eventos matrimoniais, feiras e eventos foram os primeiros trabalhos realizados. Mas foi com o primeiro grande case publicitário utilizando vídeos 360 do Brasil, em que a empresa fez um vídeo 360 para a Skol Beats para a divulgação da famosa festa Tomorrowland no país – onde teve mais de 100 mil acessos no Youtube em apenas 1 semana – que ela começou a despontar.

Em 2015, empresas como YouTube e Facebook passaram a aceitar vídeos 360 em suas plataformas, enquanto que o Google havia anunciado a criação de um óculos de papelão que imergiria as pessoas num mundo totalmente virtual, a chamada realidade virtual. Foi a partir de então que grandes empresas começaram a considerar a tecnologia como uma aposta relevante para o futuro da produção de conteúdo. Ciente disso, Fabio Costa não perdeu tempo e começou a produzir conteúdo em realidade virtual, sendo um dos pioneiros no Brasil. Desde então, o sucesso foi garantido, pois o empresário passou a produzir projetos para grandes companhias multinacionais e não parou mais, chegando a atuar fora do país.

Dentre os projetos realizados com a realidade virtual, destacam-se a criação de campanhas publicitárias, a elaboração de treinamentos corporativos e, até mesmo, a criação de vídeos em ambientes virtuais como parques de diversão e safáris para auxiliar crianças no tratamento contra o câncer, tirando-as, por um momento, da cansativa rotina de hospital.

Além da realidade virtual, a realidade aumentada – que inclui novas informações digitais no espaço real, permitindo que o usuário continue vendo a realidade complementada por elementos virtuais – é outro grande destaque da Agência, que vem sendo, cada vez mais, procurada para desenvolver projetos com a tecnologia. A empresa já utilizou a inovação tecnológica, inclusive, numa obra de arte exibida numa mostra em São Paulo, onde o público podia visualizar os elementos do quadro se movimentando.

Com todas essas inovações, a expectativa da Agência, que somente em 2018 teve um crescimento superior a 250% e um faturamento de 1 milhão de reais, segundo o CEO, é crescer ainda mais num mercado cada vez mais promissor para a chamada Indústria 4.0.

Mariana da Cruz Mascarenhas

Published 18 days ago