You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Embratel anuncia serviço para pequenas e médias empresas se adaptarem à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

Quick Assessment LGPD é oferecido de forma remota e fornece análises e recomendações para adequação ao dispositivo legal


A Embratel lança essa semana o serviço de consultoria de segurança Quick Assessment LGPD para auxiliar pequenas e médias empresas no atendimento à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). A oferta visa apoiar o mercado empresarial a lidar com as novas determinações obrigatórias para gestão de dados pessoais de clientes, fornecedores e colaboradores, orientando companhias para atender a nova legislação.

“Durante a pandemia do Coronavírus, notamos a preocupação das empresas de não poderem investir na adequação dos processos, em função da restrição financeira agravada neste momento. Pensando nisso, simplificamos as confiáveis e consagradas metodologias de segurança da Embratel e desenvolvemos uma solução mais acessível”, afirma Mário Rachid, Diretor Executivo de Soluções Digitais da Embratel.

O novo serviço é uma versão compacta da metodologia Assessment LGPD Embratel, já reconhecida no mercado, que foi concebida tendo como base normas e padrões internacionais de segurança e proteção de dados.  Com o Quick Assessment LGPD, especialistas em segurança, privacidade, governança e proteção de dados pessoais da Embratel prestam consultoria de forma remota, por meio de plataformas de videoconferência, para identificar os principais gargalos de não conformidade com a lei. Por meio de entrevistas técnicas e funcionais com representantes da empresa, a Embratel avalia diversas informações para compreender o ciclo de vida de dados pessoais, desde a coleta, armazenamento, utilização e eliminação.  O processo permite realizar um diagnóstico geral de todos os elementos envolvidos nas operações de tratamento de dados pessoais, como procedimentos, sistemas e infraestrutura de TI e, posteriormente, identificar brechas e fragilidades na governança das informações.

Na fase seguinte, a Embratel elabora um plano macro de recomendações, com indicação de prioridade de implementação, buscando mitigar riscos regulatórios. A partir deste plano, o cliente  poderá adotar as melhores práticas em relação à coleta, manuseio e armazenamento de dados pessoais, dentre outras ações. Todas as orientações são detalhadamente explicadas em workshop exclusivo para o cliente, para habilitá-lo a seguir com a execução das medidas necessárias.

A Embratel também poderá ser contratada para atuar nas etapas de implementação das iniciativas, ajudando na adequação de processos por meio de tecnologias inovadoras para a gestão segura de informações, controle dos meios de acesso, sustentação do ambiente de TI, dentre outras necessidades, proporcionando maior desempenho, confiança e conformidade no processo de alinhamento ao dispositivo legal.

A Embratel acredita que a adaptação às regras, para quem ainda não começou, deve ter início imediato em função da complexidade do processo de adequação e do tempo hábil necessário para a execução das ações. Qualquer companhia que não estiver compatível com as regras estará sujeita a fiscalizações e notificações das autoridades, independentemente do porte ou setor de atuação.

“A LGPD traz mudanças importantes para todas as empresas, inclusive para pequenas e médias. Iniciar os ajustes nos processos de tratamento de dados pessoais o quanto antes é importante para cumprir com todas as demandas impostas a tempo”, avalia Mário Rachid. O executivo ressalta, ainda, que o atendimento à lei pode gerar diferenciais competitivos importantes, como ganhos de imagem, pois os consumidores estão cada vez mais atentos ao tratamento de seus dados e valorizam marcas preocupadas com a conduta, proteção e transparência de uso de informações pessoais.

A LGPD estabelece condições sobre coleta, produção, tratamento, armazenamento e compartilhamento de dados pessoais de usuários, como clientes e colaboradores. Devem atender à legislação organizações estabelecidas no Brasil ou com sede no exterior, mas que ofereçam serviços ou possuam operações no País envolvendo tratamento de dados pessoais, como impressões digitais, detalhes bancários, profissionais e de saúde, filiação religiosa, interesses, hobbies, entre outras. Caso não se adequem, poderão incorrer em advertências, enfrentar penalidades como aplicação de multas representando até 2% do faturamento, limitadas a  R$ 50 milhões por violação. A suspensão temporária dos direitos de processamento de informações pessoais também pode ser aplicada, além da publicização da infração e do infrator, gerando perdas financeiras e de imagem da instituição no mercado. Enquanto essas consequências não são aplicáveis, outras autoridades podem fiscalizar as empresas e o cumprimento da LGPD.

O lançamento do Quick Assessment LGPD no portfólio de Soluções Digitais da Embratel reforça o posicionamento da companhia em disponibilizar ofertas que contribuam para a segurança e digitalização dos negócios no Brasil.

Top stories in your inbox!