You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Empresários do ramo digital sofrem com cobranças de ICMS

Empresários do ramo digital sofrem com cobranças de ICMS

A decisão de vários Estados em cobrar ICMS sobre a venda de softwares distribuídos digitalmente vem afetando vários empreendedores do ramo digital, principalmente os pequenos e médios investidores do setor, que não têm como bancar os altos custos de ações judiciais e advogados para tentar remediar a grave situação de insegurança jurídica tributária causada pelo comportamento dos Fiscos Estaduais.

Esse comportamento se traduz na tentativa de abarcar a disponibilização digital de softwares na incidência do ICMS por meio de decretos, que já estão em pleno vigor em vários Estados, todos embasados no argumento de ser a disponibilização digital de software uma “mercadoria digital”, motivo pelo qual deve incidir o ICMS.

“Tal interpretação vai de frente ao que estabelece o texto constitucional, pois a palavra ´mercadoria´ pressupõe a transferência de propriedade do bem, o que não ocorre no caso da disponibilização digital de softwares, pois a propriedade do bem continua com o vendedor, que apenas cede o direito de uso do programa de computador ao comprador”, explica o advogado Rafael Purcinelli, do escritório Roncato Advogados.

Os Fiscos Estaduais justificam sua atitude na ideia de que a Constituição Federal e as leis tributárias devem evoluir para a Era Digital, e não petrificar em interpretações que não acompanhem a evolução da sociedade como um todo.

“É necessário que a legislação evolua para a Era Digital, mas tal evolução deveria ter levado em consideração o sistema jurídico-tributário então vigente, pois outros entes da Federação – os municípios – já tributam exatamente a mesma situação pelo ISS (Imposto Sobre Serviços), com segura decisão do Supremo Tribunal Federal no sentido de que a disponibilização digital de software se trata de “licenciamento ou cessão do direito de uso de programas de computador”, estando sujeita à incidência de ISS (RE 176.626-3, o Recurso Extraordinário que continua a balizar a tributação de software)”, complementa Purcinelli.

O que há agora é uma situação de grave insegurança jurídica em razão de bitributação inconstitucional incidente sobre a disponibilização digital de softwares. O empresário do setor não sabe se recolhe o ISS ou ICMS, ou os dois tributos, que incidem exatamente sobre a mesma situação fática.

“Sem dúvida, essa situação de insegurança jurídica desencoraja o setor e serve como espantalho a qualquer empreendimento digital no Brasil. Uma pena, ainda mais se levarmos em consideração o grande desenvolvimento que o setor digital tem dado a toda a humanidade e a todas as nações que não criam espantalhos jurídicos aos seus investidores contribuintes”, conclui o advogado.

Top stories in your inbox!