You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Enem e vestibular: o que não fazer na hora da redação

Atenção especial aos erros gramaticais que não devem ser cometidos pode evitar desconto na pontuação de concursos vestibulares e Enem

Atire a primeira pedra o estudante, em fase de vestibular e Enem, que nunca perdeu o sono preocupado com um dos principais desafios de quem quer garantir uma vaga em uma universidade: a redação. A preparação para essa etapa dos concursos requer atenção especial. A professora Pamella Brandão (mais conhecida como Pamba) e o professor Fábio Gusmão participaram recentemente de uma live com mais de 15 mil alunos de todo o Brasil interessados em saber não apenas o que faz uma boa redação, mas principalmente,  o que não se deve fazer, a fim de evitar perdas de pontuação. A live destacou aspectos relativos à norma padrão da língua, uma das competências avaliadas em uma redação.

Pamba é professora especialista em redação e gramática, com quase 1 milhão de inscritos em seu canal do Youtube. Gusmão é professor e assessor de Língua Portuguesa do Sistema Positivo de Ensino. Os dois garantem que não adianta ter uma boa ideia e bons argumentos se a redação apresentar inúmeros erros que possam significar desconto em uma das competências avaliadas no texto e que pode comprometer a nota final da produção textual. E alguns deles, muito comuns nas redações, são cometidos pelos candidatos sem que sequer percebam. Os professores alertam que os estudantes precisam identificar quais são esses erros para conseguir evitá-los.

  1. Erros gramaticais e de linguagem - a norma padrão da Língua Portuguesa é a primeira competência avaliada numa redação no Exame Nacional do Ensino Médio. Seguidos erros nesse sentido acarretam perda de vários pontos. Alguns deles são: ambiguidade (uso de palavras com mais de um significado); cacofonia (som desagradável na junção de palavras); pleonasmo (repetição desnecessária de uma informação); uso excessivo da palavra 'que'; barbarismo (emprego incorreto de uma palavra ou expressão); entre outros.
  2. Pontos fracos - sempre há um ou outro aspecto em que o estudante demonstra menor domínio, aumentando assim a brecha para o erro. Identificar seus pontos fracos é o primeiro passo para sanar essas dificuldades e evitar seguidos erros relacionados a isso. Na hora de fazer a revisão final do texto, é preciso ficar atento. Exemplo: aquele estudante que tem mais problemas com o uso correto da vírgula, deve revisar o texto dando especial atenção para essa questão.
  3. Fazer o texto na folha final - para economizar tempo, muitos candidatos optam por fazer a redação direto na folha final, pulando a etapa de rascunho. Isso acaba gerando rasuras. Organizar a redação no espaço de rascunho permite que o estudante, ao fazer a revisão do que escreveu, corrija possíveis erros.
  4. Pressa e falta de atenção - o tempo joga contra os candidatos e a preocupação com o relógio gera pressa e descuido. Muitas vezes, o erro acontece por falta de atenção e não por falta de conhecimento. Por isso, a revisão atenta é tão importante.
  5. Coerência textual - na hora de fazer a argumentação referente ao tema, muitos candidatos tentam demonstrar amplitude de conhecimento, encaixando algum outro assunto dentro do tema proposto. Isso pode comprometer a coerência do texto - o que chamamos de redação "sem pé, nem cabeça". Para evitar isso, é importante se manter sempre bem informado, com a leitura de jornais, revistas e notícias para garantir uma capacidade argumentativa cada vez melhor, conseguindo argumentar bem sobre qualquer que seja o tema proposto e sem perder o foco. Fazer uso de toda a bagagem e conhecimento acumulados nas aulas de Filosofia, Sociologia ou História é sempre bem vindo, mas cuidando para não fugir do tema.



Sobre o Sistema Positivo de Ensino

É o maior e mais tradicional sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversas disciplinas, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltados à educação.