You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Entenda a importância e como elevar a autoestima no trabalho

Qualidade é fundamental para manter uma boa produtividade e ajuda a vencer obstáculos

É no trabalho que a maioria das pessoas passa a maior parte dos seus dias, e o que acontece dentro do ambiente profissional pode interferir também em outras áreas da vida. A manutenção de uma rotina saudável, seja na empresa ou no escritório, depende de vários fatores, um dos principais é a autoestima.

Fundamental em todas as áreas da vida, ela ajuda a manter o foco em objetivos, a dar confiança para as atividades realizadas no dia a dia, e pode motivar e inspirar as pessoas ao redor. No trabalho, a falta dela pode afetar a produtividade e a forma de alguém encarar os seus desafios e metas diárias. É o que explica Emerson Vamondes, especialista em comportamento humano e PNL (Programação Neurolinguística).

A autoestima é um sentimento de satisfação consigo mesmo, seja relativa à aparência, habilidades ou personalidade, e por isso, é um fator que depende muito do que se passa internamente com uma pessoa. Levando isso em conta, Vamondes diz que não se deve esperar que algo externo mexa com a autoestima. “É preciso ter estratégias particulares, por meio de atividades e da dedicação de cada um”.

Momentos de baixa autoestima, no entanto, também são normais e acontecem em determinado momento com qualquer pessoa. “É preciso romper a barreira”, diz o especialista em comportamento humano. Nessa hora, se manter em áreas ou atividades com o qual o profissional se sinta mais confortável e que apresentem retornos rápidos podem ajudar.

O profissional dá um alerta especial para a falta de disciplina na realização de tarefas. “Uma estratégia é a de se organizar para sempre começar e terminar atividades. Dessa forma, é possível ter entregas melhores, ver seus resultados surgirem e recuperar a confiança em si, em um processo natural”, conta Vamondes.

O ambiente no qual o profissional está inserido também pode influenciar em criar ou prolongar momentos ruins.  “A situação por si só, joga a pessoa pra baixo. Ou aceito e modifico isso internamente, ou então busco mudar de ambiente, porque senão se torna luta constante, e isso desgasta, demanda um sacrifício e uma energia muito grande”, pontua. Fatores como a ausência de chances de ascensão, líderes ruins e poucos incentivos para o desenvolvimento das atividades podem ajudar na construção de um cenário negativo.

Formas de resolver isso envolvem que líderes saibam valorizar bons rendimentos, ou ainda que o funcionário saiba reconhecer e identificar fatores que estão levam a resultados negativos, como a autossabotagem por exemplo. “Quem está à frente precisa buscar formas de estimular a pessoa contratada, dar feedbacks positivos, desde que sejam verdadeiros. Do outro lado, é necessário entender o que está errado, se há medo, insegurança, falta de motivação, e buscar progredir”.

Sobre Emerson Vamondes

Após atuar por 16 anos como engenheiro elétrico em grandes empresas do País, Emerson Vamondes decidiu se dedicar integralmente ao comportamento humano. É presidente do Instituto Evoc (Evolução Comportamental), onde desenvolve cursos voltados para coaching e PNL (Programação Neurolinguística).

Em 2014, o profissional idealizou a Academia da Liderança, cujo objetivo é a formação de líderes por meio do desenvolvimento de capacidades comportamentais. Dois anos mais tarde, criou o Instituto Evoc, que busca a evolução comportamental em sua essência. Mais informações em: www.institutoevoc.com.br.

Top stories in your inbox!