You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Estamos prontos para o retorno às aulas presenciais?

Milena Fiuza*

Alguns países já apresentaram demonstrações de retorno às aulas presenciais. Contudo, a decisão do retorno leva em consideração diversas questões, muito além do contexto educacional, incluindo até mesmo o encargo por uma nova onda de contágio do Covid-19. Em todo o mundo (e também no Brasil), a crise sanitária é latente. Vários são os esforços de algumas autoridades políticas, educacionais e de saúde para buscar meios de enfrentamento ao novo vírus.

O retorno às aulas presenciais, portanto, deverá observar, além dos bons exemplos externos, especialmente as normas dos respectivos sistemas de ensino, ou seja, estados e municípios deverão decidir as regras para o cumprimento da jornada escolar, que deverão ser seguidos em âmbito público e privado, além de protocolos sanitários rigorosos. Esse retorno deve estar em consonância com o processo de distanciamento social, em harmonia com as orientações da OMS e do Ministério da Saúde.

No âmbito educacional, o parecer aprovado pelo Conselho Nacional de Educação não estabelece datas para a volta às aulas presenciais, mas recomenda que o retorno aconteça de maneira gradual, além de nada alterar ao que rege a Medida Provisória que exige cumprimento das 800 horas, ainda que haja discussões em âmbito federal, principalmente em relação ao ensino infantil. E, para isso, o MEC possibilitou ampliar os horários habituais de aulas, realizar atividades no contraturno, ter sábados letivos, usar de períodos de recesso e/ou férias na tentativa de esgotar todos os esforços para cumprir a carga horária.

Desde o início do isolamento, muitas ações têm sido conduzidas para que alunos não se prejudiquem academicamente. Os professores têm usado de aulas síncronas a mensagens por aplicativo para engajá-los. E se há ainda algum mais resistente, padecerá em saber: essa atividade não se finda com a volta presencial. O período de retorno permanece incerto, mas há um consenso - a volta será feita de forma escalonada em um modelo híbrido, com aulas presenciais e remotas de forma simultânea. No novo modelo, as aulas presenciais deverão ser feitas em dias alternados, com escalas.

O modelo híbrido entre aulas presenciais e remotas encontra (desde sempre) os obstáculos de execução, mais usados ​​entre os alunos mais novos e também com relação à realidade de exclusão digital que muitos usam. Ainda, surge como possível, configurar uma volta às aulas presenciais por faixa etária - os alunos mais velhos voltam para escolas antes, e como crianças menores, quando enfrentam novos vírus, costumam ser assintomáticas, sendo um risco maior de disseminação de vírus. , regressariam mais tarde.

O retorno envolve um rígido protocolo de saúde e higiene com desinfecção de escolas, aferição de temperatura, uso de máscaras, lavagem de mãos e instalação de torneiras. Além disso, os professores do grupo de risco devem manter-se afastados no primeiro momento; há que ter maior espaço entre carteiras dos estudantes; os espaços ao ar livre devem ser aproveitados para atividades pedagógicas; os horários de entrada, saída e retorno devem ser diferentes e espaçados para evitar aglomeração; entre outras tantas providências. Fato é que, dada a complexidade das medidas adotadas, é muito importante que os envolvidos atinjam esses pontos e comecem, desde já, a planejar ou recuperar aulas, de modo a conferir tranquilidade e segurança na comunidade escolar.

* Milena Kendrick Fiuza é gerente pedagógica do Sistema Positivo de Ensino