You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Evolução do Pré-sal e mudanças na indústria do Petróleo e Gás Natural

Evolução do Pré-sal e mudanças na indústria do Petróleo e Gás Natural

O Petróleo e o Gás Natural (P&G) são responsáveis por 46,9% de toda a oferta interna de energia no Brasil, conforme o último Balanço Energético Nacional - referente a 2018 - divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), mesmo referindo-se a um ano de crise (quando o gás natural recuou 5,4%; petróleo e derivados recuaram 6,5%).

Desde a instalação do primeiro poço de petróleo em 1941, em Candeias (BA), o Brasil tem uma alternância entre estatização (Era Vargas, regime militar e governo Lula/ Dilma) e privatização do setor (FHC, Temer e Bolsonaro). Com a Lei 9.478/1997, no governo Fernando Henrique Cardoso, o Brasil firma seu ingresso em uma economia neoliberal, com a criação da ANP – atualmente denominada Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – e a quebra do monopólio da Petrobrás.

Já no governo Lula, com a chamada Lei do Pré-Sal (Lei n° 12.351/2010), estabelece-se que esse recurso teria como operadora única a Petrobrás, o que gerou dificuldades de crescimento do setor, em virtude da desconfiança das empresas nele inseridas, já que um dos players assumiu a operação desse importante recurso energético.

Com a alteração da Lei do Pré-sal realizada no Governo Temer com a Lei n° 13.586/2016, o setor começou uma recuperação em termos de competitividade, existindo estimativa de perdas da ANP, na ordem de mais de 1 trilhão de trilhão de reais (entre carga fiscal e investimentos), pela demora na exploração do pré-sal.

Além disso, ocorreram muitas alterações no período, flexibilizando questões importantes, como Conteúdo Local (CL), permitindo algumas isenções e evoluindo o marco legal; fixando novas políticas de Exploração e Produção (E&P) e novas rodadas de negócios – inclusive com um “megaleilão” das quatro áreas do pré-sal da Bacia de Santos (previsão para 06/11/2019), o qual deve contar com 14 empresas (11 países), inclusive a própria Petrobrás. Aliás, leilão muito interessante, já que está confirmada a existência do P&G por parte da Petrobrás, inexistindo risco (natural de uma cessão onerosa - modalidade em que há contrato, sem licitação, diretamente com uma empresa), já que receberá compensação desses investimentos iniciais exploratórios.

As alterações efetivamente modificaram o setor e devem permitir ao Brasil, nas próximas rodadas de negociação, entre concessões e partilha de produção, retomar investimentos necessários no que se refere a Exploração e Produção. Inclusive, neste ponto, presenciou-se no último dia 24 de outubro, a aprovação de Projeto de Lei (PLN 45/19) que abre crédito para o Ministério de Minas e Energia (MME) compensar a Petrobrás e pagar parcela deste ano devida a estados, Distrito Federal e municípios em razão do leilão, totalizando mais de R$ 40 bilhões.

Outros aspectos desta indústria devem ser averiguados, especialmente se verificada a possibilidade de melhorias e preparação do setor de Petróleo e Gás Natural para uma transição energética (substituição de combustíveis fósseis por combustíveis renováveis).

O transporte de P&G está em ampliação, buscando um modelo semelhante ao do setor elétrico, para estimular a competitividade com vista à expansão do sistema dutoviário, especialmente se analisados os programas Gás para Crescer e RenovaBio.

O refino é outra área sensível, uma vez que há um déficit destas plantas, notadamente em virtude de redirecionamento da Petrobrás e ausência de players/ incentivo estatal (por ser investimento de capital intensivo). Há 17 refinarias no Brasil e, mesmo assim, em 2018, foram importados mais de 25% de derivados de petróleo.

A capilaridade da distribuição é muito boa no país. Entretanto, o consumo indica pontos sensíveis de melhoria – especialmente ante o Acordo de Paris e a Política Energética Nacional (PEN), os quais indicam biocombustíveis como solução energética para a transição para uma economia de baixo carbono, já que o transporte é o “grande vilão” do setor energético em emissão de CO2, pois, apesar de consumir 32,7%, é responsável por 46,3% de nossas emissões.

O pré-sal é necessário ao Brasil, mas o setor é muito maior que a Exploração e Produção. O país precisa de um planejamento integrado e sistêmico para o setor visando aproveitar melhor esse recurso e reverter à sociedade benefícios mais tangíveis desta economia de mercado, possibilitando energia de baixo custo, mas prevendo, também, a substituição desses energéticos fósseis onde for possível, trazendo não só a sustentabilidade ambiental, mas também a social e a econômica.

*Fabrízio Nicolai Mancini, doutorando em Tecnologia e Sociedade, mestre em Desenvolvimento de Tecnologia, é professor dos cursos de Engenharia Elétrica e Engenharia de Energia da Universidade Positivo.