You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Falando sobre morte com os pequenos: 8 livros para ajudar pais a trabalharem o tema com as crianças

Histórias lúdicas e sensíveis são boas forma de crianças compreenderem mais sobre assunto e aprenderem a lidar com emoções sobre como perdas

A aproximação do dia de Finados faz com que a morte dos entes queridos seja mais lembrada e comentada entre as pessoas e pode acabar sendo uma boa oportunidade para introduzir o assunto e trabalhar esse tema com as crianças. Se para os adultos lidar com a morte é complexo e difícil, para os menores, que ainda não sabem lidar bem com os sentimentos e nem entender o que significa a morte de fato, pode ser ainda mais complicado.

De acordo com a editora de Literatura da Positivo Soluções Didáticas, Cristiane Mateus, os livros, neste momento, se transformam em uma boa alternativa para auxiliar os pais a conversarem sobre esse tema com as crianças. "O momento da leitura aproxima crianças e adultos. Faz com que os pequenos estejam mais propensos à escuta. Histórias que falam sobre a morte e apresentam a perda sob diferentes ângulos podem ajudar a criar o ambiente ideal -  tranquilo e lúdico - para que os pais falem sobre o assunto com os filhos", explica Cristiane.

Ela lembra que existem inúmeras histórias que falam sobre a morte, diversas e diferentes entre si. "Para escolher os títulos mais adequados, é essencial levar em conta a idade da criança e o quanto ela já é capaz de compreender sobre o assunto", reforça Cristiane.

Para ajudar os pais a abordarem o tema em casa, por meio da leitura, segue uma seleção de oito livros infantis que falam sobre a morte e a perda.

1- Menina Nina — duas razões para não chorar, de Ziraldo (de 5 a 8 anos)

Menina Nina narra, de maneira bastante poética, a relação de uma garota com a sua avó. Toda a história é conduzida de forma leve e alegre, até que a dor aparece com a perda da avó. É a partir daí que começam a surgir questionamentos, quando Nina passa a tentar entender o que aconteceu. Ziraldo apresenta aos leitores duas razões do porquê não chorar, com uma linguagem simples, direta e cheia de esperança.

2- Marcéu, de Marcos Bagno (a partir de 10 anos)

Com muita beleza e sensibilidade, este livro de Marcos Bagno trata da relação de dois irmãos, Marcos e Marcéu. Os dois moravam numa casa à beira de um rio. Um rio gigante, que não dava para ver o outro lado de tão largo. Marcéu dizia que do outro lado do rio moravam as ideias. Marcéu, que tem um contato íntimo com a natureza, morre em uma enchente. O mais velho, com a trágica experiência, amplia e aprofunda sua visão de mundo e de si mesmo. Emocionante, poético, sensível e sem drama.

3- Para onde vamos quando desaparecemos?, de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso (a partir de 9 anos)

A partir de uma série de questionamentos, somos levados a refletir sobre a finitude da vida, sobre o tempo e, claro, sobre o aparecer e o desaparecer. Embora, mesmo para os adultos, seja praticamente impossível responder à questão proposta, a narrativa consegue lançar novas hipóteses sobre esse tema, trazendo poesia e respostas mais sérias. Elas variam conforme os casos apresentados, que vão desde as meias que “desaparecem” misteriosamente, até o sol que todos os dias vai embora.

4- Ficar triste não é ruim, de Michaelene Mundy (de 5 a 8 anos)

Este livro oferece às crianças de todas as idades (e às pessoas que as amam e orientam) uma visão realista e confortadora da perda - cheia de estímulos positivos e alentadores para lidar com a perda na infância. A obra promove o crescimento por meio de um sentimento de pesar honesto e sadio.

5- O Anjo da Guarda do Vovô, de Jutta Bauer (de 4 a 10 anos)

A partir de uma narrativa singela, um avô, que está em seu leito no hospital, passa a recordar e a contar para o neto os principais momentos da sua vida. Por meio dos desenhos, o leitor descobre que, em cada um desses acontecimentos, o vovô não estava sozinho: o seu anjo da guarda sempre estava por perto. Tudo nessa história é “dito sem dizer”, traduzindo o momento da despedida de forma completamente poética, falando sobre temas como experiência, aprendizado, legado e claro, sobre como lidar com a morte.

6- Pode chorar coração, mas fique inteiro, de Glenn Ringtved e Charlote Pardi (a partir de 6 anos)

A obra retrata um delicado processo de despedida vivido por uma avó e seus 4 netos. No centro da história está a Morte, uma figura temida e assustadora que, neste livro, mostra-se generosa e atenta à escuta e ao momento vivido pelos pequenos. E, ao longo das páginas, descobre-se que essa presença acolhedora é quem mostrará que abrir espaço para falar e conversar sobre as despedidas pode tornar algumas travessias mais humanas e possíveis. É dela, inclusive, uma frase maravilhosa que dá nome à obra, a qual carrega uma lição importante para a vida.

7- Harvey - Como me tornei invisível, de Hervé Bouchard (a partir de 9 anos)

Harvey é um garoto inteligente, mas que vê a sua vida virar de ponta cabeça após a morte do pai. Compelido por um sentimento desolador e desconhecido, o garoto tenta se refugiar, criando um mundo próprio de fantasia. Para isso, imagens e textos caminham lado a lado, ajudando a descobrir esse sentimento tão cruel e terrível que é trazido pela morte e também como aprender a lidar com ele.

8- A preciosa pergunta da pata, de Leen van den Berg (a partir de 1 ano)

A pata possui uma pergunta preciosa: afinal, o que acontece conosco quando falecemos e para onde vamos? Um questionamento importante para a pata, já que há pouco tempo ela sofrera a perda do seu patinho, algo que a entristece bastante. Buscando resposta para sua pergunta, a pata se encontra com vários personagens e cada um, uma resposta completamente diferente para a sua dúvida, ajudando a entender a forma poética a morte e o que acontece quando morremos.