You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Futurecom Digital Summit discute o futuro do pagamento invisível e o papel do PIX neste processo

O dinheiro em espécie vai acabar? E a utilização dos cartões físicos? O Brasil está preparado para esta mudança? Esses foram alguns questionamentos realizados durante o painel “O Futuro (ou presente?) dos Pagamentos é Contactless”, promovido pelo Futurecom Digital Summit, evento que antecipa discussões que irão permear a 22ª edição do Futurecom, principal evento de tecnologia, telecomunicações e transformação digital da América Latina, que ocorrerá de 27 a 29 de outubro, no São Paulo Expo, em São Paulo.

Participaram da discussão Mauricio Santos, diretor de produtos e serviços financeiros da Claro; Alessandro Raposo, CSO da Zoop; Daniel Dórea Andrade, gerente de Inovação e Pagamentos Digitais do Carrefour; Eduardo Ariel Grunewald, Gestor de Serviços de Supermercados da APAS; Rafael Ferreira, head de Produtos de Informação e Inteligência do SERPRO e Breno Lobo, assessor sênior do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos do Banco Central.

Para os participantes, o futuro dos pagamentos está nas transações sem contato. Cada vez mais, as pessoas estão usando o telefone celular para realizar pagamentos. Durante a pandemia houve um crescimento na utilização de carteiras digitais, hábito que deve ser mantido após a retomada. “O uso do dinheiro e do cartão físico deve diminuir bastante. As pessoas estão percebendo que as transações financeiras sem contato são mais rápidas e diretas”, afirma Breno Lobo, do Banco Central.

Alessandro Raposo, da Zoop, acredita que as empresas do setor avançaram muito durante a pandemia e que o pagamento será cada vez mais invisível. A expectativa dele é que os consumidores brasileiros substituam o pagamento físico pela interação sem contato, possível com as autenticações realizadas por biometria facial, que é um grande tendência nos próximos anos.

Ariel Grunewald, da APAS, destaca o crescimento na emissão de cartões digitais nos últimos meses. “Tivemos que bancarizar muitas pessoas, e a carteira digital foi a maneira que encontramos para fazer isso. Houve um aculturamento rápido para a utilização de soluções digitais, o que deve estimular ainda mais os pagamentos contactless. A nossa prova de fogo foi feita nos últimos 90 dias”, disse.

Segundo Mauricio Santos, da Claro, houve, de fato, um processo de bancarização forçado pela Covid-19, o que acabou alterando a percepção dos clientes em relação ao mundo digital. Se antes havia resistência em relação à tecnologia, ela acabou sendo incorporada para realizar pagamentos durante a pandemia. O executivo também destaca a importância da conectividade de rede para garantir que os pagamentos sejam imediatos, especialmente com a implementação do PIX pelo Banco Central, em novembro.

O PIX permitirá transferências e pagamentos entre pessoas, empresas e governo, a qualquer hora do dia, inclusive nos fins de semana e em feriados, com recebimento em poucos segundos, de forma segura e prática, a partir da leitura de um QR Code ou apenas informando o e-mail, número de celular ou CPF/CNPJ.

Para que isso aconteça é importante padronizar as informações, criando um arranjo de pagamento aberto e interoperável. Os pagamentos podem ser realizados por meio de um QR Code via celular, como se fosse um pagamento no débito. O PIX também permitirá saques em redes varejistas que não façam parte do setor bancário. Essa medida ampliará as opções e a capilaridade das instituições para ofertarem o saque.

Daniel Andrade, do Carrefour, ressalta que as lojas estão sendo preparadas para a adoção do PIX. “Com a utilização do QR Code nos pontos de venda, nossa expectativa é ter um custo de transação menor, além de receber o dinheiro mais rápido que no cartão”.

De acordo com Rafael Ferreira, do SERPRO, a tendência é que o varejo de transforme cada vez com as novas tecnologias. “Chegará o momento em que consumidor poderá realizar uma compra sem apresentar nada, apenas com a biometria facial. É o que chamamos de pagamento invisível”, destaca.

O Futurecom Digital Summit será realizado até quinta-feira, dia 2 de julho. Organizado pela Informa Markets, evento traz aos seus debates a mesma qualidade dos conteúdos do encontro físico do Futurecom. São duas sessões diárias com acesso totalmente gratuito e veiculadas pelo site do Futurecom.

Para conferir as próximas discussões dessa semana, clique aqui.

Top stories in your inbox!