You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Geração de renda: Como os aplicativos de serviços estão ajudando o trabalhador a driblar o desemprego

Geração de renda: Como os aplicativos de serviços estão ajudando o trabalhador a driblar o desemprego

*Por Márcio Pascal

Enquanto o país enfrenta uma crise econômica desde 2015, cresce o número de trabalhadores autônomos, que enxergaram no mercado informal uma oportunidade de driblar o desemprego e gerar renda. Este ano, a taxa de desemprego no Brasil subiu para 13,1% no primeiro trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E é essa a realidade que, aos poucos, está transformando a mentalidade do trabalhador e a forma com que ele irá se portar no mercado daqui para frente.

A tecnologia, como em todos os setores e âmbitos, entra para ajudar o profissional nesta movimentação. Com a revolução dos smartphones, hoje com 92% de usuários no Brasil (dados IBGE 2018), e o surgimento dos aplicativos de serviços, o trabalhador, por conta própria, recebeu uma ferramenta de desenvolvimento e auxílio. Um suporte, no qual o ajudará a se tornar um empreendedor do seu negócio.

No entanto, são muitas as adversidades e complicações existentes no cotidiano do autônomo. Afinal, empreender ou trabalhar por conta própria requer muita disciplina e qualidade nos serviços prestados. Seja do lado de quem administra o aplicativo de serviço e ajuda estes profissionais a atuar com segurança e respaldo, como pelo trabalhador, que acaba enfrentando uma concorrência maior e a constante exigência por atendimento de excelência.

Porém, este é um tipo de trabalho que traz a segurança que o profissional precisa para crescer e se desenvolver. E o maior dos benefícios, além é claro, do emprego e geração de renda, está na qualidade de vida.

A flexibilidade na carga horária gera aumento na produtividade, e com isso, o autônomo passa a ter uma renda maior do que produziria atuando no mercado formal, muitas vezes. Este movimento e a nova relação com o trabalho, também é uma aposta das empresas que oferecem os serviços de ajuda para este novo profissional.

Em resumo, o desemprego pode ter aberto as portas para uma nova maneira de produzir renda, porém a preocupação deixou de ser a estabilidade de uma carteira assinada. O futuro do trabalho está no bem-estar de se atuar de forma independente, produtiva e qualitativa.

*Márcio Pascal é CEO da Zauty, Plataforma Digital que oferece serviços de beleza express como: Manicure/Pedicure, Depilação, Massagem, Cabelo, entre outros.

Top stories in your inbox!