You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Intervenção militar e o suicídio da democracia

Estefânia Barboza e Adriana Inomata*

A retórica da “intervenção militar constitucional” voltou a gritar nas redes sociais com a publicação da nota pela qual o general da reserva Augusto Heleno critica, na função de ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o pedido de apreensão de celular do Presidente da República, por configurar-se “afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País”.

A objeção foi publicada após o ministro Celso de Mello manifestar-se pelo encaminhamento à Procuradoria Geral da República de três notícias de supostos crimes no Inquérito 4.831 – que investiga as acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro –, na qual partidos políticos e parlamentares requerem a busca e apreensão do celular do Presidente da República e do vereador  Carlos Bolsonaro, para perícia.

Na nota de repúdio, Heleno “alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”. Como diz o ditado popular: “para bom entendedor, me pa ba.” Como todos os novos autoritarismos do mundo vêm atuando, o nosso modelo não é diferente; tentam fragilizar a atuação do Judiciário porque o veem como ameaça a seu projeto ilimitado e autoritário de Poder.

Primeiro, queremos aqui fazer um alerta. Antes de invocarmos a Constituição, precisamos fazer um compromisso com a honestidade. Não invoquemos a Constituição em vão. Esse deve ser o pressuposto básico em um regime democrático, especialmente em um momento de emergência de líderes populistas que usam das leis e da Constituição como disfarce de seus projetos autoritários.

Feito isso, precisamos esclarecer que, apesar da separação de poderes também garantir a independência do Poder Executivo, ela não é escudo contra qualquer tipo de contenção. Pelo contrário, há um sistema de freios e contrapesos que tem natureza instrumental para garantia das liberdades e busca evitar que um dos poderes possa, sozinho, ser o Leviatã. Por isso, diversas engrenagens na Constituição preveem formas de contenção, limitação e controle, inclusive ao Poder Executivo.

Em razão disso, uma nota publicada pelo GSI funciona como um efeito de numeração . Em um fair play , o GSI faz um "alerta" para quantas situações imprevisíveis para uma estabilidade nacional de suas ações como um jogo difícil (TUSHNET, 2004). Ademais, uma “intervenção militar constitucional” [ sic ] com base no art. 142 da CF / 88, seria o próprio suicídio do projeto democrático de 1988 e não existe nenhuma possibilidade de interpretação neste sentido. A Constituição, antes de tudo, é texto. E como texto, não pode ter sua interpretação fragmentada. Cada dispositivo constitucional está conectado com outro modo de formar essa lógica lógica.Assim, é ignorante e desonesto, porque invoca o art. 142 para justificar uma intervenção das Forças Armadas no STF. Uma Constituição que traz como princípio fundamental (art. 1º) o Estado Democrático de Direito e, logo em seguida (art. 2º), uma seleção de poderes, não é permitida, de modo algum, um ataque à independência da mesma denominação como seu guardião. O artigo 142 impõe, ao revés, às Forças Armadas de Proteção do Supremo,

Não bastasse o texto expresso, uma reserva institucional, ou seja, o uso de regras de jogo seguidas, é uma norma não escrita essencial para a manutenção da democracia. Da fala do ministro Augusto Heleno, que vê uma prática de crime de responsabilidade, pois ela permite que os fatos ocorram contra o exercício livre do Poder Judiciário e usa uma ameaça de constrangimento-lo, conforme definido no art. 6, itens 5 e 6 da Lei do Impeachment.

* Estefânia Barboza é professora de Direito Constitucional da Uninter e UFPR. Adriana Inomata, doutoranda em Direito da UFPR, é professora de Direito Constitucional da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positiva.