You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

IoT no campo: como a tecnologia está ajudando a revolucionar o agronegócio do Brasil

Por Romulo Cioffi, Vice-Presidente de Operações do Grupo Squadra

Veículos autônomos, redes complexas com dispositivos interagindo de forma automática e sistemas inteligentes ajudando a predizer cada passo das operações. Se você acha que estamos falando de uma fábrica ou cidade do futuro, saiba que não é nada disso. Essas são apenas algumas das inovações que estão levando o agronegócio a uma verdadeira revolução digital nos últimos anos, transformando completamente a produção.

A inovação no campo, portanto, é uma grande notícia. Ainda mais quando destacamos a importância do setor agro para a economia de nosso País. Hoje, o segmento é responsável por movimentar cerca de R$ 1 trilhão por ano, o que representa mais de 20% de todo o Produto Interno Bruto nacional. Além disso, quase 40% dos empregos criados no Brasil têm relação direta ou indireta com a indústria do campo.

Isso significa que a utilização cada vez mais efetiva da tecnologia é um caminho prático para impulsionar os resultados do segmento e, consequentemente, da indústria brasileira como um todo. Mais do que isso: em tempos como os atuais, diante da crise aberta pela pandemia do coronavírus, a modernização e globalização da economia agropecuária pode representar uma chance prática para sustentar a retomada real da atividade interna.

Para isso, no entanto, é preciso que as soluções mais inovadoras – como as aplicações de Internet das Coisas (IoT – de Internet of Things, em inglês) – cheguem de forma efetiva aos mais diversos elos da cadeia de produção agroindustrial. Simplificar o acesso às novidades e permitir que elas sejam, de fato, otimizadas para atender a rotina dos produtores são dois passos essenciais para gerar valor real a partir da inovação.

Não por acaso, segundo dados do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), as aplicações de Internet das Coisas deverão gerar até US$ 132 bilhões à economia do Brasil, sendo o campo um dos maiores focos desse investimento – ao lado de verticais como saúde, cidades e fábricas.

Mas o que, afinal, esse conceito tecnológico agrega para o campo? A resposta é simples: o uso de recursos de IoT no campo permitirá cada vez mais a automação de diversas etapas cotidianas do trabalho – como por exemplo, a colheita, o plantio, o manejo do gado e o comércio de carne – reduzindo desperdícios e maximizando os resultados. Com essa tecnologia será possível, entre outras medidas, conectar várias soluções utilizadas para monitoramento do campo, ampliar o uso de sensores de georreferenciamento que permitam, por meio de Inteligência Artificial, sugerir decis&otil de;es es pecíficas para o produtor e muito mais.

Como resultado, a real expansão das ferramentas de Internet das Coisas nas fazendas e pastos irá abrir caminho para que os gestores sejam capazes de analisar e aprimorar rapidamente as condições de solo e estágios da produção, entre outros fatores, e implementar um novo modelo de rastreabilidade dos produtos. Desse modo, podem reduzir os custos, antecipar a tomada de decisões, otimizar os investimentos e, ainda, garantir mais segurança aos compradores.

Para os clientes, por sua vez, a implementação de tecnologia inteligente nas lavouras significará uma nova era de confiança em relação aos produtos – será mais fácil saber que tipo de defensivo agrícola foi usado, de onde veio o produto, qual o caminho logístico percorrido até o mercado. Além disso, o uso de informações precisas e em tempo real resulta em um imenso benefício sustentável, pois possibilita o uso mais racional e eficiente de insumos, água e até mesmo de áreas para plantio.

Em um momento marcado pelas oscilações e mudanças, garantir maior acesso e conhecimento dos produtos à tecnologia é um fator chave para impulsionar o que chamamos, hoje, de agricultura 4.0 – elevando a inteligência das operações como um todo. É preciso usar a TI como ferramenta para mitigar ameaças e agilizar a conquista de novas oportunidades para que toda a cadeia do agronegócio seja cada vez mais produtiva.

Atualmente, esse movimento já existe e deve ser ressaltado. Por isso, é fundamental trabalhar para aproximar quem desenvolve novas soluções tecnológicas de quem gerencia as atividades agroindustriais. Incentivar a conexão entre empresas e produtores é o próximo passo para elevar a qualidade do negócio agropecuário brasileiro. Acho que ninguém duvida que o agronegócio brasileiro já é uma potência mundial e com a tecnologia pode ir muito além.