You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Legalização do jogo de azar deve fazer mais do que financiar saúde, alerta pesquisador

Para professor da Universidade Positivo, mudança na lei, que é dada como certa, deve ser utilizada para alavancar desenvolvimento de destinos turísticas e educação

A proibição dos jogos de azar no Brasil está com os dias contados. Tramitam na Câmara dos Deputados oito projetos de lei que legalizam casinos, bingos e outras modalidades. Um levantamento realizado em maio deste ano indica que um número significativo de deputados federais já é favorável à mudança na lei. A iniciativa com o maior número de partidos apoiadores é a que propõe direcionar a programas de saúde 15% do faturamento dos bingos (PL 3489/2008). Mas para o professor Dario Paixão, coordenador-geral da Pós-Graduação e Educação Continuada da Universidade Positivo, a legalização pode trazer outros benefícios ao Brasil, que também precisam ser considerados, com atenção para o equilíbrio entre vantagens e impactos.

“Nunca estivemos tão perto do retorno dos casinos ou da legalização do jogo de azar no Brasil”, avalia Dario Paixão, que também é pesquisador do turismo. No levantamento feito pela Paraná Pesquisas, que consultou uma amostra formada por 238 deputados federais (46% do total de parlamentares, que é de 513), 52% declararam-se favoráveis à aprovação do jogo de azar e 7% afirmaram estar indeciso. Quanto à melhor forma de aproveitamento de parte da receita proveniente do jogo para atendimento a demandas da sociedade – um ponto em comum para a maioria dos projetos em tramitação na Câmara – o professor acredita que direcionar esses recursos apenas para a saúde não é a melhor alternativa.

“O que mais ocorre em outros países é o financiamento de infraestrutura para as cidades onde há o jogo”, afirma Dario Paixão, que considera importante também priorizar a educação. “Também é necessário utilizar parte desses recursos para apoiar pesquisa, qualificação de mão-de-obra, até mesmo nas áreas que serão beneficiadas, como turismo e hotelaria”, acrescenta. Ele reconhece, no entanto, que é preciso destinar uma parte destes recursos para tratamento de viciados em apostas, um impacto negativo desse tipo de atividade, mas que, considerando os exemplos de outros países, não inviabiliza a liberação do jogo.

Para o professor e pesquisador, que estuda há bastante tempo o tema cassinos, nem todas as modalidades de jogos de azar que podem ser legalizadas no Brasil têm o mesmo potencial de gerar os mesmos benefícios para a sociedade. “Os cassinos podem ajudar no desenvolvimento de centros turísticos de qualidade, mais competitivos, principalmente resorts. Bingo, jogo do bicho, casas de apostas, máquinas caça-níqueis, por outro lado, são formas de arrecadar dinheiro da comunidade local e não de quem está nos visitando”, analisa.

Especificamente sobre os cassinos, Dario Paixão destaca o modelo adotado no Chile como um dos melhores e opção que deve ser considerada pelo Brasil. Naquele país, explica o professor, existem poucos cassinos, sendo que todos devem estar localizados em regiões turísticas. "Os cassinos não são a 'salvação da lavoura', mas podem ajudar algumas cidades a se tornarem destinos turísticos mais competitivos", observa.

Na América do Sul, somente Brasil e Equador ainda não permitem os cassinos e outras modalidades de jogos de azar. “Precisamos enfrentar a realidade de que muitas pessoas jogam daqui no Brasil em sites da internet, viajam para jogar, jogam em cruzeiros que levam o dinheiro para outros países. Com coragem, temos que responder qual a presença apropriada e o papel do jogo na sociedade brasileira”, ressalta o professor e pesquisador da Universidade Positivo.



Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo concentra, na Educação Superior, a experiência educacional de mais de quatro décadas do Grupo Positivo. A instituição teve origem em 1988 com as Faculdades Positivo, que, dez anos depois, foram transformadas no Centro Universitário Positivo (UnicenP). Em 2008, foi autorizada pelo Ministério da Educação a ser transformada em Universidade. Atualmente, oferece mais de 50 cursos de Graduação presenciais, quatro cursos de Doutorado, sete cursos de Mestrado, mais de 190 programas de Especialização e MBA, sete cursos de idiomas e dezenas de programas de Extensão. A Universidade Positivo conta com três unidades em Curitiba, uma unidade em Londrina (PR), uma unidade em Joinville (SC), além de polos de Educação a Distância (EAD) em mais de 50 cidades espalhadas pelo Brasil. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric.