You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Marketing Digital e OOH: mix que gera resultado

Marketing Digital e OOH: mix que gera resultado

Apesar de serem bem distintas, a mídia exterior e os formatos publicitários da internet podem ter atributos bem familiares, principalmente na hora de criar uma campanha.

A tecnologia está aproximando, cada vez mais, esses dois mundos, trazendo maiores facilidades para anunciantes e agências.

São dados qualificados, segmentações mais precisas, digitalização de espaços e muitos outros recursos que modernizam não só o out-of-home, como outros meios tradicionais.

Isso, naturalmente, mexe com o mercado. Afinal, a mídia exterior pode se tornar mais atraente para profissionais e agências mais especializadas em digital, assim como para os anunciantes que só investem na internet para divulgar seus produtos e serviços.

Quais são as similaridades entre o marketing digital e o OOH?

Os espaços digitais talvez sejam os exemplos mais claros. Apesar de o estático ainda ser o modelo mais comum, os pontos com monitores já se fazem mais presentes.

Eles são mais visíveis em elevadores, painéis em estações de metrô, relógios de rua e em estabelecimentos comerciais diversos.

Essas telas permitem a veiculação de um conteúdo mais dinâmico, como os vídeos e as mensagens contextualizadas, assim como é na internet.

Mas não é só isso. A forma de planejar campanhas em ambos os ambientes também está se transformando.

Com segmentações mais precisas, baseando-se em dados geolocalizados de dispositivos móveis (smartphones, sensores de movimento, etc.) e indicadores de redes sociais, é possível apontar os locais com maior circulação de um determinado público-alvo.

Entretanto, esse é um tipo de segmentação não muito comum ao mercado. Plataformas como a NOALVO estão entre as que conseguem entregar tamanha precisão na hora de ajudar anunciantes e agências de publicidade a escolherem um determinado local para anunciar.

E o melhor é que, no caso desse planejamento com mais dados, todo o inventário de mídia exterior é beneficiado, atingindo tanto os espaços estáticos quanto os digitais.

Isso leva os velhos e bons outdoors e pontos de ônibus, por exemplo, para um nível superior em praticidade pela tecnologia.

E, para quem está acostumado com o mundo de facilidades e informações fáceis da internet, a mídia exterior desponta como uma opção bem viável.

Como aproveitar as particularidades do Out-of-Home?

O mais legal dessa história de combinação de canais é agregar a tecnologia, que os une em alguns aspectos, com as características próprias de cada meio.

Vamos dar um exemplo:

A maioria dos formatos de out-of-home são mídias de massa, certo? Elas estão nas ruas, estações, lojas, edifícios e em outros locais impactando — até mais de uma vez — milhares ou milhões de pessoas por dia.

Para potencializar esse atributo, a internet traz os mecanismos de geração e cruzamento de dados. Agora, é possível massificar um anúncio escolhendo os pontos mais adequados a uma campanha.

Inteligência de dados + Grande audiência no mundo real (tangível)

E ainda tem o fato de que os anúncios em mídia exterior não possuem qualquer adblocker para atrapalhar a vida dos anunciantes. As pessoas só não veem se não quiserem ou se estiverem distraídas.

Isso porque também não comentamos sobre a relação do OOH com as redes sociais, buscadores, aplicativos, e-commerces e muitas outras aplicações online.

Para ter acesso a informações mais completas sobre o assunto, baixe gratuitamente o e-book: Do Marketing Digital ao Out-of-Home.

O material explica como o Out-of-Home vem para complementar, de maneira mais eficiente, a jornada dos consumidores que transitam entre o digital e o mundo físico.