You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Matchbox Brasil aponta os TOP 10 processos seletivos do Brasil

Matchbox Brasil aponta os TOP 10 processos seletivos do Brasil

Pesquisa com mais de 2300 jovens aponta que 50% deles afirmam que não voltariam a se candidatar se tivessem uma experiência ruim em algum momento do processo

Segundo pesquisa realizada com mais de 2300 jovens de todo país, 61% dos candidatos já desistiram de se inscrever em uma vaga por conta de um formulário muito extenso. Além disso, 50% deles afirmam que não voltariam a se candidatar se tivessem uma experiência ruim em algum momento do processo seletivo. É o que aponta o levantamento realizado entre janeiro e março de 2019, pela Matchbox Brasil, HR Tech especializada em talent acquisition no país.

Ainda de acordo com os dados recolhidos pela startup, 79% desses jovens talentos se formaram ou vão se formar entre 2017 e 2020, ou seja, representam uma importante parcela dos chamados geração alpha (nascidos depois dos anos 2000). Quando questionados sobre mecanismos de busca de vagas,  91% disseram buscar sites especializados em vagas, 58% usam o Google, 70% vão direto no site da empresa e 69% buscam no LinkedIn, uma das maiores redes sociais para contatos profissionais.

Ainda de acordo com a pesquisa da Matchbox, as top 10 empresas no quesito Inovação em Processos seletivos são: BRK, Itaú, Ambev, Braskem, Energisa, Eaton, Vale, Stone, VLI e Avon. Outro dado interessante é que 55% dos talentos deram nota 9 ou 10 por inscrições feitas por meio de chatbot, ou seja, esses jovens apoiam o uso de novas tecnologias em processos seletivos.

“De acordo com 45% dos jovens, o principal critério que os ajudam a se inscrever é um job description bem escrito. Assim como em outro setores, os jovens procuram por empresas que possam oferecer boas experiências desde o primeiro contato. Um dos principais insights da pesquisa realizada com os jovens é: a experiência do candidato importa. Uma experiência ruim pode impactar sua marca a longo prazo. Afinal, 43% dos talentos afirmaram que não voltariam a comprar produtos ou serviços de uma empresa se tivessem uma experiência ruim,” explica Kleber Piedade, CEO da Matchbox Brasil.

Além dos jovens talentos, a startup também conversou com mais de 230 profissionais de RH  e apontou que para 98% dos respondentes a transformação digital é necessária para a área, porém 43% deles não têm um plano em ação e apenas 14% afirmaram que as equipes estão preparadas para essa revolução. Quando fazemos um recorte sobre cargos de RH que estão de olho nas tendências de transformação digital, temos 41% de analistas, 18% de coordenadores e 20% gerentes.

“Quando questionados sobre temas que mais trabalham na área, temos a Diversidade (48%); Employer Branding (45%) e Candidate Experience (34%). Em paralelo, os menos trabalhados são People Analytics (23%); Inteligência Artificial (14%) e Transformação Digital (14%). Ou seja, ainda há um grande desafio para a transformação digital no setor de RH e precisamos nos atentar a isso se quisermos os melhores talentos”, finaliza Piedade. “Ao mesmo, as tendências apontadas por eles são: Transformação Digital (44,9%), Employer Branding (44,9%) e People Analytics (44,1%).”

Top stories in your inbox!