Café é para os fracos. O mindfulness é a nova cafeína –  combustível que desbloqueia a produtividade e ativa ideias criativas - do Vale do Silício.

A comunidade tecnológica do norte da Califórnia tem tido retorno sobre o investimento com meditação.

Segundo o jornal San Francisco Chronicle, Jack Dorsey, cofundador do Twitter, Marc Benioff, CEO da Salesforce, e até Sergey Brin, do Google, meditam.

Prédio mais imponente da Bay Area, a SalesForce Tower tem um espaço dedicado para a prática em cada andar.

Mas como a cessação dos pensamentos pode aumentar os rendimentos de grandes empresas?

Quando se pratica a atenção plena, você diminui os níveis de ansiedade e estresse, logo se torna menos reativo. Mais relaxado, passa a ser mais criativo, além de ter mais foco e empatia.

Assim, você passa a processar as informações do dia a dia com mais calma e qualidade, focando em cada passo em vez de ficar ansioso pelos resultados.

Ou seja, o mindfulness alavanca a performance individual e a capacidade de liderança, promovendo também a inteligência emocional.

Por isso virou moda no Vale do Silício.

Benefícios para empresas

O mindfulness ajuda as pessoas a se tornarem mais focadas, criativas, felizes, saudáveis, relaxadas e autocontroladas.

Também ajuda a apreciar mais plenamente cada momento, combatendo outro inimigo moderno: a ansiedade.

Estudos sugerem que a prática frequente fortalece a memória, facilita a perda de peso e melhora a imunidade.Programa para a prática de mindfulness no Google, o Search Inside Yourself trouxe resultados impactantes.

Segundo números do programa:

> O nível de estresse dos participantes caiu de 58% para 24%
> A performance aumentou de 36% para 68%
> A capacidade de liderança saltou de 17% para 46%

Combinados, estes resultados pode ser traduzidos em menores gastos com assistência médica e maior de produtividade.

Uma verdadeira mina de bem estar à poucas respirações de distância.