You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA, AVALIAR É PRECISO, LAMENTAR NÃO É PRECISO

* Jeanfrank Sartori

Em dezembro último, assistimos ao ritual previsível e triste que ocorre a cada três anos: a divulgação dos resultados do Brasil no exame do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes). Promovido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), avalia o aprendizado dos jovens dos países participantes, nas áreas de leitura, matemática e ciências.

Conforme amplamente divulgado, nosso desempenho mais uma vez foi pífio e aquém não apenas das nações ricas, mas também de inúmeros países em desenvolvimento assim como o nosso. E deste modo tem sido desde a primeira edição, no ano 2000, ocasião na qual o então presidente da República não poderia ter feito pergunta mais pertinente ao Ministro da Educação, quando este propôs a participação do Brasil: e se ficarmos em último? Afinal, foi o que de fato, mais tarde, aconteceu.

E tão previsível quanto o nosso mau desempenho a cada aplicação da avaliação é a enxurrada de lamentos, de críticas e de soluções propostas, que se apresentam nos dias que sucedem à divulgação dos resultados. Mas independentemente das opiniões, dos governos e dos contextos econômicos, muito provavelmente nada será significativamente diferente na prova a ser aplicada já em 2021, cujo resultado estará disponível em 2022.

Nesse recorrente dilúvio pré-agendado, um tema costuma receber pouca atenção, não condizente com sua importância e com seu potencial de contribuição para o aprimoramento da formação de nossas crianças e jovens: os processos nacionais de avaliação da educação básica. É de suma importância possuirmos indicadores sistematizados, contínuos, abrangentes, comparáveis e multifacetados, que nos permitam adequadamente identificar os resultados positivos, cujas boas práticas que os produziram devem ser, sempre que possível, estudadas, compartilhadas e generalizadas. E também detectar o mau desempenho, cujas causas sejam identificadas e sanadas, bem como as lições aprendidas e divulgadas.

Somente de posse de dados completos e fidedignos, as necessárias decisões podem ser tomadas e as soluções realistas, factíveis e duradouras implementadas – e não aventuras, imediatismos ou receitas sabidamente fadadas ao fracasso. Cabe aqui o patriótico dever de, indiferentemente de convicções, partidos e aspirações, somarem-se os esforços municipais, estaduais, federais e privados, pelo bem de todos.

Já possuímos boas iniciativas nesse sentido, como a Prova Brasil, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e, de certo modo, o próprio Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), porém um problema sempre esteve presente: a grande variação entre os conteúdos ministrados nas milhares de instituições de ensino desta nação de dimensões continentais.

Uma boa notícia é que finalmente estamos vivenciando a implementação da Base Nacional Curricular Comum (BNCC) que, apesar de não ser imune a críticas, veio trazer uma expressiva melhoria justamente na padronização nacional dos currículos escolares. Abre-se, assim, a oportunidade de tornarmos as avaliações mais completas, abrangentes e comparáveis, também incorporando integralmente a rede privada de ensino - muitas vezes deixada em segundo plano - e permitindo discriminar ainda mais os efeitos de diversos condicionados, do governante até o professor em sala de aula, passando pela gestão escolar, a infraestrutura e o próprio aluno.

Mais recentemente, o Governo Federal tem estudado mudanças no Saeb, que passaria a incluir mais séries e áreas do conhecimento, bem como criar uma Avaliação Nacional de Fluência (nome ainda provisório) para mensurar o nível de leitura no 2.º ano do ensino fundamental . Apesar de merecerem debates e aprimoramentos, são mudanças que propõem avanços importantes que podem contribuir para a qualidade e a riqueza dos dados disponíveis para a administração das políticas educacionais brasileiras.

Ainda mais benéfico e desejável é que os resultados dessas avaliações sejam atrelados, de forma justa, razoável e adequada, à remuneração de gestores e à carreira docente nas redes públicas, bem como aos processos regulatórios na rede privada. Afinal, de nada adianta a information se ela não se traduzirá em efeitos concretos.

Assim, parafraseando o romano Pompeu geral, em expressão eternizada pelo escritor português Fernando Pessoa, avaliar é preciso, lamentar não é preciso. Se esse tempo iniciar assinar salvar uma população de Roma da fome, aprimorar uma avaliação da educação no contexto brasileiro é um primeiro e importante passo para saciarmos nossa carência por ensino de qualidade, desenvolvimento nacional e justiça social.

* Jeanfrank Sartori é mestre em Gestão da Informação e especialista em Inteligência de Negócios. É pesquisador nas áreas de avaliação educacional e gestão do conhecimento, atuando na avaliação institucional do Grupo Positivo em Curitiba.