Novos negócios para amantes de carros

5 months ago

Por: Renniê Paro

 

Por Marcos Siqueira

Quem ama carros não para de pesquisar e sabe que a todo momento surgem novidades incríveis do setor. Acompanhar essas novidades nem sempre é fácil para quem é empresário automotivo e com as novas tecnologias e aplicações de internet e inteligência artificial, foram sendo criados novos formatos de negócios do setor. Confira alguns:

-Car Sharing: o conceito de economia compartilhada já se espalhou e estabeleceu em todo o mundo. Em São Paulo, carros compartilhados já fazem parte da rotina corrida dos paulistanos e têm ajudado e diminuir o impacto no trânsito. Além dos aplicativos de transporte particulares, é grande também o número de interessados em caronas. Vale ficar de olho nesse mercado, que tende a crescer ainda mais;

- Consultas veiculares: toda hora vemos na TV matérias sobre os mais diversos tipos de golpes que fraudadores tentam aplicar. No setor automotivo isso também é uma realidade. Portanto, um novo modelo de negócio que ganha força é o de consulta veicular, onde o próprio consumidor consegue, em pouco minutos, levantar informações relevantes sobre uma possível compra, evitando problemas futuros com leilões, sinistros, e etc;

- Pontos de encontros: quem nunca viu aqueles encontros de amantes de carros clássicos ou motos?! Pois é! Esse é um dos setores em expansão e grupos na internet ajudam a fomentar e espalhar o amor por esses “velhinhos”. Se você pensa em abrir um novo negócio no segmento, talvez essa seja uma boa aposta;

- Acessórios: carros tunados sempre foram destaques nas ruas e corações dos jovens. Com a chegada de recursos de tecnologia inteligentes, o setor de acessórios automotivos cresceu ainda mais e ganha força. É uma ótima área automotiva para se investir, pois há grande procura.

Marcos Siqueira é Presidente da Checktudo, empresa cujo objetivo é oferecer o poder de segurança e gestão de risco por meio de grandes bancos de dados governamentais de identificação de clientes a serviço de pequenas e médias empresas.

Comments?