You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Novos tempos exigem mais investimento nos profissionais de cibersegurança

Por Cleber Ribas, Vice-presidente da Blockbit

Qual será o principal desafio de tecnologia da sua empresa em dez anos? Sendo bastante direto, não seria nenhum exagero dizer que será a segurança da informação. A explicação é simples: à medida que os negócios caminham em suas jornadas de transformação digital, cresce a importância da segurança dos dados e ativos que alimentam os sistemas e, em última instância, a tomada de decisões corporativas.

A cibersegurança será o desafio do futuro das organizações. Isso não significa, porém, que os líderes corporativos têm a opção de esperar até que as projeções se concretizem. Pelo contrário. A melhor maneira de preparar as companhias para o que está por vir é, justamente, entender e resolver as dificuldades e brechas que as operações têm agora em suas rotinas.

Esse tema já está presente e impacta diariamente os resultados corporativos. Quem está atento ao noticiário certamente já viu uma série de casos em que as vulnerabilidades e brechas levaram a enormes casos de vazamento ou roubo de dados.

É essa perspectiva que tem levado centenas de líderes executivos de todo o mundo a se programarem para os desafios que suas organizações enfrentarão nos próximos anos. De acordo com levantamentos de mercado, a cibersegurança já era uma das principais preocupações dos Chief Executives Officers (CEOs) mesmo antes da pandemia de COVID-19. Agora, com o avanço do uso de soluções em Nuvem e a maior descentralização das equipes, é natural que a segurança digital cresça radicalmente em importância.

O fato é que os executivos-chefes veem as ameaças à segurança cibernética como um de seus desafios mais assustadores e complexos. Um estudo do Fórum Econômico Mundial indicou que o temor de ataques de cibersegurança é, hoje, uma das maiores preocupações para o crescimento dos negócios dos líderes globais.

A segurança da informação é um fator indissociável da competitividade das empresas e da experiência de atendimento aos clientes. Não se trata de um tema corporativo que possa ser visto separado das estratégias de produtividade, de vendas e tampouco de resultados. A cibersegurança é, no cenário atual, um elemento indispensável para permitir que as companhias tenham um futuro.

Mas como, afinal, é possível gerenciar esse tema? De que maneira os líderes de negócios e de TI devem se posicionar para mitigar os riscos imediatos e de longo prazo em suas operações? A resposta para essas perguntas exige uma combinação de esforços que inclui a adoção de ferramentas modernas, especificamente preparadas para prevenir e afastar ameaças, e a criação de uma política organizacional sólida, com práticas centradas na proteção de dados.

A escolha da tecnologia, nesse sentido, é uma etapa fundamental desse processo de proteção. Contar com ferramentas inteligentes, que agreguem insights e visibilidade ao gerenciamento das marcas, é essencial para integrar a segurança como um facilitador da inovação, do avanço da oferta e da atenção aos consumidores.

Paralelo a isso, no entanto, é preciso valorizar os especialistas em segurança da informação. Nesse contexto, podemos dizer que é importante ter profissionais específicos para o acompanhamento desse tema e investir na formação de outros colaboradores, aparentemente não ligados ao tema, que possam apoiar a proteção dos dados das empresas.

Evidentemente, essa demanda nos remete a um outro desafio das organizações, que é achar os melhores talentos. De maneira global, as pesquisas apontam para a dificuldade de preencher posições de segurança cibernética. Estima-se que há um gap de quase 3 milhões de especialistas em segurança cibernética em todo o mundo.

Sem dúvida, esta é uma questão relevante e desafiadora. Mas vale dizer que, sem a participação das empresas, jamais teremos uma solução. É preciso atacar o quanto antes essa falta de especialistas, valorizando os talentos da área e fomentando as certificações e qualificação de novos grupos de profissionais. Montar uma equipe engajada e habilitada com tecnologia de ponta é essencial para o agora, mas fazer com que esses jovens se especializem é o que fará a diferença lá na frente.

As empresas devem complementar o investimento em tecnologia com ações que permitam valorizar as pessoas e estimular o desenvolvimento das habilidades em suas equipes. Somente assim terão um plano sólido para tornar a segurança cibernética de suas operações mais efetivas. Combinar soluções de gerenciamento de segurança mais inteligentes e profissionais preparados para antever e detectar falhas de processos são demandas que não podem ser deixadas para o amanhã. A melhor estratégia para a proteção dos dados no futuro é aquela que começa agora.

Top stories in your inbox!