You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

O estudante do terceirão na pandemia

Wilson Galvão*

A pandemia da Covid-19 trouxe muitos desafios a diferentes setores da sociedade, incluindo a Educação. Neste contexto, um grupo em particular, o de estudantes da 3.ª série do Ensino Médio, é um dos mais afetados. Mas será que estamos olhando com cuidado e compreendendo o que está acontecendo com eles? Os estudantes do “terceirão” estão vivendo o último ano da Educação Básica. São os veteranos e estão no auge da popularidade no colégio.  Quando inicia o ano letivo, há uma expectativa enorme, pois é o ano da despedida, das festas e celebrações, do fim de uma etapa. Mas é também o momento da separação daquela turma que caminha junto há anos. Acrescente a pressão pelas escolhas que terão de fazer. O curso superior, a instituição onde irão estudar, a cidade onde irão morar, o vestibular e o ENEM, e, ainda mais, o medo de fracassar e de desapontar tanta gente.

Agora, imagine o que é passar por tudo isso em isolamento social, sem poder interagir presencialmente, matar aula para encontrar o crush, chorar no ombro de um amigo, fazer a viagem de formatura, justamente numa fase de experimentação e mudanças no desenvolvimento biopsicossocial. O que passa na cabeça desse jovem neste momento? Acredite, é quase o fim do mundo! Então, cabe refletir sobre todo este contexto e pensar em como ajudar o estudante a manter o foco. O mais importante é lembrar que não é hora de cruzar os braços e esperar o fim dos tempos. Grandes eventos mundiais mudam a sociedade e precisamos aprender a lidar com a mudança.

Desde o fim da II Guerra Mundial, a expectativa de vida da população aumenta cada vez mais. É possível que os estudantes não saibam, mas é provável que eles vivam mais de um século. Com isso, a escolha do curso superior neste momento, por exemplo, não significa uma sentença, mas o início de um processo de desenvolvimento. Ao escolher o curso de Direito, o estudante não está sentenciado, necessariamente, a advogar por várias décadas. No entanto, o futuro certamente vai requerer muitas das habilidades, competências e conhecimentos desenvolvidos na faculdade de Direito para a atuação nas mais diversas frentes. Algumas delas sequer existem ou já foram imaginadas. O fato é que o aluno terá muito tempo para rever e reorientar sua trajetória profissional e seu projeto de vida.

Portanto, neste momento, é preciso a conscientização de que a pandemia pode, sim, ajustar o projeto de vida planejado para este ano, mas não vai tirar do estudante o poder de escolha sobre o seu futuro. E mais: é preciso entender que o vírus deixou a gente em casa, mas não deixou a gente parado. É momento de decisão sim, mas devemos ajudar o estudante a se conscientizar de que a gente aprende mais errando do que se ficarmos sem fazer nada.

Professores, pais e familiares: cuidem, ajudem estes estudantes nesta travessia. Fiquem juntos deles e atentos à sua saúde emocional e física. Ouçam mais, mas não deixem de propor boas opções de ócio que os ajude a se nutrir de coisas boas, que reduzam os ruídos e que favoreçam sua conexão com o mundo e consigo mesmos. Acompanhem, sem pressão. Incentivem as conquistas, mas não alimentem expectativas exacerbadas. Proponham desafios, mas não se esqueçam de celebrar as pequenas vitórias. A jornada foi longa e rica até aqui. Agora, é hora de apoiar e sugerir caminhos para um mundo de possibilidades.

*Wilson Galvão é coordenador de Área do Sistema Positivo de Ensino.

Top stories in your inbox!