O fim das feiras de recrutamento??

2 months ago

*Por Filipe Bizari https://www.linkedin.com/in/filipebizari/

Quando você pensa em ir para universidades, a primeira estratégia que vem na cabeça é participar de feiras de recrutamento? Um dos modelos mais tradicionais de relacionamento com jovens talentos, as feiras concentravam uma grande quantidade de alunos para ouvir quais as oportunidades de crescimento dentro de grandes empresas, colecionar brindes e tirar dúvidas.

Se é o mais tradicional, como assim vai acabar, Filipe? O ponto é que as coisas mudaram (e muito) e hoje em dia a experiência que a feira oferece não é o que a geração busca. Os alunos não querem mais ouvir discursos ensaiados, contatos superficiais e apresentações institucionais. Eles querem experiências únicas, querem ser ouvidos, entender o dia a dia dessas marcas empregadoras e, principalmente, aprender algo novo em toda oportunidade.

Proporcionar esse tipo de experiência é um desafio para as áreas de employer branding hoje. Já parou para pensar o trabalho que não dá criar um conteúdo, uma atividade e um formato que faça sentido para cada público que se relaciona? Para isso você precisaria de um time muito maior, com pessoas que tenham conexão com a marca e consigam tornar cada uma dessas atividades em prioridade.

Para conseguir superar esse desafio e criar experiências únicas que comuniquem sobre a marca que contribuam com a formação destes jovens e garantam resultados para a área, acreditamos na criação de um programa de defensores de marca empregadora dentro das organizações. Em linhas gerais, esse é um projeto novo que tem sido implementado por nós em algumas empresas como Bosch, Grupo Boticário e Kraft Heinz onde selecionamos colaboradores engajados e com bons conteúdos para compartilhar e os transformamos em embaixadores da marca, através de treinamentos, conteúdos constantes, desafios de desenvolvimento, sempre incentivando-os a compartilhar sobre o dia a dia na empresa.

Com isso, derrubamos barreiras e aproximamos mais estes dois universos, garantindo contato mais empático, com maior profundidade de conteúdo e com informações mais relevantes para cada público.

As feiras continuarão existindo, fazendo sentido para empresas com certos desafios, mas se seu objetivo é fazer com que o contato com esses jovens realmente influencie na jornada do talento com sua marca, buscar um relacionamento mais profundo e avançar para além do conhecimento sobre sua marca, você precisará criar novas estratégias. Atualmente, vemos grandes marcas atuarem nesse novo formato, mas acredito que em pouco tempo todas as empresas, independente de seu ramo de atuação e tamanho, poderão apostar nestes relacionamentos mais próximos, e a construção de um programa de embaixadores é uma estratégia para pôr no ar este novo tipo de contato.

Em resumo, o que posso afirmar é que as relações humanas mudaram e para que os jovens talentos desejem ingressar em sua empresa, é preciso mudar (rapidamente) o modus operandis de aproximação com esse público. E aí, já pensou em criar um verdadeiro exército de embaixadores para te ajudar com os desafios da área?

Renniê Paro

Published 2 months ago