You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
O futuro dos seguros: Dados e Analytics solucionando os maiores desafios da indústria

O futuro dos seguros: Dados e Analytics solucionando os maiores desafios da indústria

Por Anand Krishnaswamy, VP e Head do Identity Solutions Center of Excellence da TransUnion International

Neste texto, vamos explicar o valor em explorar as fontes de dados corretas, a crescente importância das identidades digitais e o objetivo final do uso de dados: uma visão 360º da identidade do consumidor.

As discussões que estamos levantando nos artigos mais recentes da TransUnion sobre fraude se concentram em uma pergunta retórica: como é possível criar ferramentas contra fraudes do futuro usando a tecnologia do passado?

Nós examinamos uma ampla variedade de melhores práticas do mercado com o objetivo de aproveitar ao máximo as tecnologias de ponta. Este artigo tem como foco evidenciar algumas das novas e poderosas funcionalidades para o uso de dados durante o gerenciamento de identidade e na prevenção à fraude.

O aproveitamento dos dados corretos é extremamente importante na prevenção a fraudes e no gerenciamento de identidades. A expansão inteligente do universo de dados a serem utilizados pode gerar insights mais profundos sobre o comportamento dos consumidores, bem como os riscos envolvidos nessas operações. Essa iniciativa, por sua vez, permite o desenvolvimento de soluções mais poderosas e eficazes para combate à fraude.

Já vimos isso acontecer no setor de crédito, onde o uso de dados alternativos e de tendências se tornou uma prática recomendada devido às vantagens inerentes que eles oferecem na compreensão do risco real de cada consumidor. A introdução de dados de tendência marcou uma mudança disruptiva na maneira como usamos as informações. Agora, podemos enxergar os consumidores com mais detalhes e entender seu comportamento ao longo do tempo, o que permitiu uma melhor tomada de decisão por parte das empresas.

No universo de combate à fraude, os avanços estão seguindo um caminho semelhante, com a incorporação de novos tipos de dados para melhorar significativamente a eficácia. Tradicionalmente, as melhores práticas para esse cenário dependiam exclusivamente de dados off-line para verificação de identidade - principalmente informações de identificação pessoal que aparecem nos cadastros de solicitação e concessão de crédito, como nome, endereço e dados relacionados à previdência social.

A necessidade de dados diferenciados, com objetivo de atender novos consumidores com disponibilidade ao crédito, levou ao surgimento de várias fontes com elementos adicionais do mundo off-line, incluindo informações demográficas, dados eleitorais, registro de automóveis e em empresas de telecomunicações, por exemplo.

Mais recentemente, os dados on-line passaram a contribuir com uma parte cada vez mais poderosa da verificação de identidade. Em um mundo de violações e fácil acesso às informações pessoais por meio de pesquisas no Google, os dados off-line se tornaram relativamente fáceis de se encontrar e menos confiáveis para verificar a identidade de alguém do que no passado, principalmente quando o consumidor com quem você está lidando é invisível nos bancos de dados tradicionais.

Além disso, a convergência maciça e contínua entre o mundo físico e digital está sendo impulsionado pelo crescimento das atividades on-line das pessoas, criando novos e ricos fluxos de dados que podem ser aproveitados para um entendimento mais profundo do consumidor. Esses fatores levaram ao desenvolvimento de identidades digitais, que fornecem uma visão nova e mais ampla de cada indivíduo, aprimorando insights e a eficácia em ações de identificação.

Hoje, vincular dados de identidade on e off-line para fornecer uma visão 360° dos clientes emergiu como o Santo Graal na prevenção à fraude. Ao combinar extensos conjuntos de dados on-line e off-line e utilizar tecnologias inovadoras, uma nova abordagem de identidade digital é criada e permite gerar grandes melhorias na habilidade de detecção e prevenção à fraude.

Construindo uma armadilha melhor

Em um estudo recente da Forrester, menos de 25% de todas as empresas pesquisadas disseram estar completamente satisfeitas com suas soluções atuais de detecção e prevenção à fraude[1]. A qualidade e a precisão dos dados que as organizações usam para criar suas soluções é uma das razões para esse resultado.

Como mencionado, as seguradoras e instituições financeiras tradicionalmente contam com informações de identificação pessoal e de crédito para verificação e combate à fraude. Porém, esses dados fornecem apenas uma visão estática das informações do consumidor, o que torna essas companhias altamente propensas a ataques de hackers, controle de contas e outras fraudes.

Recorrer a dados alternativos e de tendências para criar identidades digitais, com uma visão mais ampla, é fundamental para superar esses e outros desafios. Galileu não resolveu o movimento planetário olhando para metade do céu. Para avaliar melhor o comportamento, você precisa considerar um universo completo de informações, a exemplo de Sherlock Holmes. As identidades digitais complementam uma base de dados off-line tradicional, colocando em camadas diversos dados, incluindo e-mail, telefone, localização, biometria e informações de comportamento, adicionando importantes recursos dinâmicos e contextualizados. Isso resulta em uma visão mais rica sobre mudanças de comportamentos, além de ambientes e proteções mais fortes para cadastro e acesso a contas.

As soluções que podem alavancar efetivamente grandes quantidades de dados on-line e off-line de diferentes mercados - sejam dados de identificação eleitoral, dados de registro de veículos, dados de dispositivos conectados etc. - têm fortes vantagens estratégicas, pois podem validar a identidade do usuário rapidamente com processos relevantes e sem atrito. Quando as instituições reconhecem seus "bons" clientes, podem aprová-los rapidamente, criando uma melhor experiência.

Para se protegerem no momento em que uma identidade suspeita é detectada, os credores podem exigir que o consumidor inclua mais informações ou que passe por etapas adicionais de verificação antes de ser aprovado. Frequentemente, os fraudadores buscam aprovações rápidas e serão impedidos por esses obstáculos adicionais.

Já os credores que podem verificar rapidamente os consumidores, fornecer soluções para tornar o processo mais transparente e reduzir o atrito nas operações. Podem converter mais aquisições, oferecendo um diferencial competitivo na era do “consumidor em primeiro lugar”. A autenticação passiva pode atender aos requisitos de medidas de segurança sem sobrecarregar o usuário e, quanto mais alto o risco percebido da transação, mais claras serão as etapas de verificações. Esse equilíbrio é de importância crucial e todas as iniciativas têm como objetivo dificultar que os fraudadores adulterem ou contornem as verificações.

Identidade Digital: solução para a era da mobilidade

As identidades digitais incluem uma nova ferramenta interessante: dados do dispositivo. Os dados e a inteligência de dispositivos estão rapidamente se tornando um verdadeiro fator de mudança, pois oferecem métodos avançados de análises projetados para a era digital de hoje.

Essa tecnologia pode avaliar, imediatamente, telefones celulares, laptops e qualquer dispositivo conectado à internet e determinar se ele foi usado para cometer alguma fraude, ou se exibe um comportamento anormal. É possível determinar a reputação do dispositivo, bem como associações de dispositivos ocultos, ajudando a identificar maus usuários trabalhando juntos. Isso permite o bloqueio de transações em tempo real, mantendo a sustentabilidade dos negócios à frente dos riscos.

A integração da inteligência do dispositivo com outras táticas e ferramentas de prevenção à fraude ajuda a garantir que, se um mecanismo falhar durante a capturar atividades fraudulentas do consumidor, outro o fará.

O poder da inteligência de dispositivos é amplificado pelas redes globais. Os analistas de fraude podem compartilhar a reputação do dispositivo com todo o mundo. Essa inteligência pode ajudar outras empresas a tomar decisões mais assertivas sobre consumidores. Assim, as empresas podem se beneficiar de milhares de recursos, ferramentas e experiências adicionais, sem aumentar o investimento inicial em detecção de fraudes.

Identidade Digital: Solução para normas regulamentares

Estratégias de prevenção à fraude e gerenciamento de identidade que integram a inteligência de dispositivos também estão facilitando o equilíbrio entre o cumprimento de normas regulatórias e a experiência positiva do usuário. Na União Europeia, por exemplo, a Diretiva de Serviços de Pagamento (Payment Services Directive - PSD2, em inglês) impacta todas as empresas que processam pagamentos on-line ou fornecem serviços relacionados a contas no Espaço Econômico Europeu (União Europeia, Islândia, Liechtenstein e Noruega). O PSD2 define o que conhecemos por padrões de autenticação forte do cliente, exigindo o uso de dois ou mais dos seguintes métodos de autenticação:

Existem exceções para esses padrões, e é aí que brilha o valor da inteligência do dispositivo. Essas soluções são dispensáveis se os sistemas operarem em tempo real e verificarem anomalias no comportamento do usuário durante transações, incluindo:

· Padrões anteriores de gastos do pagador;

· Histórico de transações de pagamento;

· Localização do pagador e do beneficiário no momento do pagamento;

· Uso anterior do dispositivo de acesso ou do software fornecido ao provedor de serviços de pagamento.

As tecnologias de inteligência de dispositivo atendem a todos os requisitos de padrão de autenticação e, quando combinadas com funcionalidades de machine learning, que pode prever a probabilidade de atividade fraudulenta, as soluções de dados podem permitir que as empresas reduzam as taxas de fraude e minimizem os obstáculos para os bons consumidores.[2]

Identidade Digital: uma plataforma estratégica de crescimento

Um ponto final e importante sobre por que a identidade digital é tão promissora: ela não apenas resolve fraudes e possíveis riscos, mas também cria novas oportunidades de crescimento e de oferta de serviços. Um ótimo exemplo é o Aadhaar, na Índia. Esse programa nacional de identificação digital serve como uma plataforma que conecta 1,2 bilhão de pessoas a uma variedade de serviços financeiros.

A iniciativa de identidade digital na Índia é um centro de capacitação no qual o país está construindo um número crescente de serviços, com benefícios diretos para seus cidadãos. Assim, a identidade digital tem um valor excepcionalmente forte no desenvolvimento de mercados onde o histórico de crédito, os documentos de identidade e outras formas tradicionais de identificação não estão disponíveis ou não são amplamente difundidos.

A solução IDVision with iovationda TransUnion oferece uma plataforma completa de soluções para empresas, incluindo camadas de identificação, transmissão e fraude, além de análises e modelos de autenticação aprimorados. Conheça mais sobre a solução e como ela pode impactar nos negócios.



[1] Estudo da Forrester Consulting encomendado pela TransUnion: Fraud Detection and ID Verification in Financial Services (Augosto, 2018).

[2] iovation white paper, “Gain Market Advantage by Elegantly Solving for SCA Requirements Under PSD2.”

Top stories in your inbox!