You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Observability: como otimizar as aplicações em Nuvem para potencializar os negócios

Por Roberto de Carvalho, Vice-Presidente da Dynatrace América do Sul

Com o avanço das ferramentas digitais, empresas de todos os portes estão dando adeus à suas infraestruturas antigas. Por isso, à medida que a tecnologia evolui, está cada vez mais comum ver organizações promovendo a substituição de seus velhos sistemas e servidores em troca de novas aplicações nativas de Nuvem. São essas soluções, afinal, que estão permitindo escalar e agilizar as operações em uma perspectiva global, com rapidez que nunca se viu na história corporativa.

A contrapartida, porém, é que ao mesmo tempo em que essas ferramentas ajudam a otimizar as produções, elas também geram novos desafios de visibilidade sobre a performance operacional das organizações como um todo. Dessa maneira, está cada vez mais claro que as abordagens tradicionais de monitoramento já não são mais suficientes e que as equipes de TI e inovação agora precisam de uma nova estratégia para responder aos desafios da transformação de seus ambientes operacionais. É esse o tipo de resposta que a Observability traz aos negócios.

Em linhas gerais, Observability nada mais é do que a capacidade de avaliar e analisar a performance interna de um sistema a partir de seus dados externos. Ou seja, é a aplicação de inteligência para predizer possíveis oscilações ou falhas, antes mesmo que elas aconteçam e impactem a rotina dos negócios ou a experiência dos clientes.

Vale destacar que este é um conceito que está entre as principais tendências para o futuro dos negócios digitais, sobretudo à medida em que as empresas aceleram suas jornadas de transformação tecnológica, criando ambientes em Nuvem de alta complexidade e que são inerentemente difíceis de observar, avaliar e operar, devido ao seu dinamismo e número de relações.

Além disso, temos de nos lembrar de que este é um conceito que responde diretamente às necessidades e dificuldades do modelo antigo. Neste caso, é fundamental ressaltar que o monitoramento convencional da performance de aplicações (APM) surgiu quando o software era essencialmente monolítico e os ciclos de atualização medidos em anos – e não em dias, como atualmente. Hoje, o cenário é outro e a instrumentação manual e o baseline de performance já não são mais adequados, o que torna indispensável a adoção de uma forma de atuação mais inteligente.

Isso porque, conforme os monolitos são substituídos por aplicações nativas em Nuvem, as abordagens tradicionais de monitoramento não são mais suficientes e nem praticáveis - principalmente pelo fato de que os padrões de falha não são mais profundamente conhecidos e bem compreendidos e que existem bilhões de interdependências acontecendo simultaneamente.

O momento atual exige que empresas ampliem a visibilidade completa desses ambientes de microsserviços, garantindo a capacidade de gerenciamento de infraestruturas multicloud, sistemas de orquestração de contêineres como Kubernetes e muito mais. Nesse sentido, a Observability é uma quebra de paradigma na concepção da tarefa de monitoramento em si. Esse conceito reverte a ideia de que o suporte de TI deva ser reativo. Ao contrário, propõe um modelo cujo diferencial é justamente a capacidade de agir proativamente e, ainda, fornecer importantes registros para o desenvolvimento das rotinas de negócio.

Não por acaso, afinal, líderes de empresas de todos os segmentos e formatos estão buscando aprimorar suas operações e estruturas tecnológicas por meio de Plataformas de Inteligência de Software mais modernas, que levem a capacidade da Observability tradicional a um novo patamar. Hoje, com o avanço do mercado, temos visto o surgimento de uma nova classe de APM, agora com respostas automatizadas e baseadas em Inteligência Artificial, que se estendem por centenas de milhares de hosts, para encontrar as diretrizes certas do monitoramento da rede. Essa plataforma é usada hoje por muitas das maiores empresas do mundo e coloca o conceito da observação como uma função estratégica.

Nesse contexto, é importante ressaltar que a Observability, quando combinado à Inteligência Artificial e à automação, consegue entregar de maneira executável e clara todas as principais respostas necessárias para assegurar que as aplicações nativas em Nuvem funcionem perfeitamente e entreguem a melhor experiência e valor possível aos seus usuários.

A grande vantagem dessa oferta é que, ao invés de apenas monitorar indicadores e números, esse método de avaliação permite utilizar os dados gerados pelas aplicações como chave para melhorar os resultados dos negócios. Isso é especialmente importante pois, com os ambientes de microsserviços se tornando altamente dinâmicos, e evoluindo para milhares de hosts, entender os insights e obter respostas para problemas de performance em tempo real, tornam-se desafios reais.

Reconhecemos que, embora o conceito de Observability seja importante, não basta apenas “observar” os dados – a demanda, nesse instante, é encontrar a maneira certa de usar os registros e informações para gerar os melhores resultados para os negócios. Essa necessidade exige que os líderes entendam que é hora de levar a Nuvem além, expandindo seu potencial por meio de inteligência e assertividade. É isso que a inovação oferece.

Resta apenas entender quais serão as organizações capazes de entender essa exigência e transformar suas próprias estratégias. Afinal de contas, inovar não é apenas adotar mais serviços de Cloud ou qualquer outra tecnologia, mas, sim, encontrar as soluções certas para otimizar o funcionamento e a eficiência de suas empresas como um todo.

Top stories in your inbox!