You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Os programas sociais durante a Pandemia

Os programas sociais durante a Pandemia

Com o Brasil em crise financeira, advinda da pandemia causada pela COVID-19, e durante isolamento social, vários negócios tiveram que fechar as portas, adotar o método de trabalho home office ou até suspender o contrato de seus funcionários. Assim, muitos programas assitenciais foram lançados pelo Governo como medida de amparo àqueles que estão sem renda ou com ela reduzida, sendo o auxílio emergencial de R$600  um exemplo.

Entretanto Penha Pereira, economista, explica que estes programas devem ser revisados pois muitos possuem brechas para ilegalidades. “Temos muitos exemplos de programas de auxílio, o Bolsa Família por exemplo, o qual não é ruim, de maneira alguma, mas necessita de uma revisão profunda e detalhada, desde sua concepção, aplicação às famílias beneficiárias, até o recolhimento e distribuição do dinheiro utilizado”.

Existe ainda um outro programa engendrado no Governo do Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro mandato, denominado Renda Mínima, (não se trata do salário mínimo), através do qual pessoas sem renda teriam acesso a rendimentos que pudessem dar o mínimo necessário para viver, porém, até hoje, este não foi regulamentado. Em seu programa de governo o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, incluiu a Renda Mínima como um instrumento para ajudar as pessoas mais carentes, mas até hoje não se teve notícias dessa iniciativa.

A economia brasileira, vê-se assim, defasada e prejudicada; Penha comenta “O que vemos hoje, é a sociedade se mobilizando independentemente das iniciativas governamentais, para tentar mitigar os problemas que a crise do Coronavírus causou à população: além da ameaça sanitária, justamente o combate à fome, através de uma grande rede de solidariedade de pessoas físicas, empresas e bancos”.

Certamente esta mobilização alterará a face do país quando a crise se estabilizar. Até lá é essencial que o Brasil se prepare de maneira consistente, para de fato recuperar a atividade econômica, de forma que todas as pessoas sejam incluídas na distribuição das riquezas do país.

É possível que, após todas as iniciativas de mobilização em favor do conforto ao atendimento médico, alimentação daqueles que estão sem renda, das ações para evitar demissões, união dos concorrentes e mudanças na cultura empresarial, possamos passar por este momento, e assim a nação possa se reorganizar e se transformar, finaliza a economista.

Penha Pereira

Economista, Master Coach e gestora de carreira

mariadapenhaapereira@gmail.com

https://www.linkedin.com/in/mariadapenhapereira

Top stories in your inbox!