You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Pandemia alerta para melhor gestão do dinheiro

Pesquisa revela que a coronacrise pegou muita gente de surpresa e sem reservas para enfrentar o período. Momento é oportuno para falar sobre educação financeira com crianças

Períodos de recessão como o que o país e o mundo enfrentam atualmente podem ser bastante propícios para reforçar a importância da educação financeira. Uma pesquisa realizada no Reino Unido aponta que 20% das pessoas acredita que a pandemia que tomou conta do mundo serviu como um alerta para gerenciar melhor o dinheiro no futuro. Entre os entrevistados, 30% se disseram despreparados financeiramente para enfrentar os reflexos da crise provocada pela pandemia e 38% afirmaram que pretendem começar a poupar e a fazer reservas para situações de emergência.

A falta de uma cultura que priorize a disciplina financeira das pessoas com seus próprios orçamentos decorre do fato de que não é comum tratar do assunto já na infância, mostrando para crianças e jovens a importância de se poupar e saber gerenciar bem o dinheiro. De acordo com o consultor financeiro Gustavo Cerbasi, reverter esse quadro passa, obrigatoriamente, pela educação que crianças e jovens recebem desde cedo sobre o tema. "Uma educação melhor vai formar cidadãos melhores e mais conscientes. Se não houver uma educação financeira que prepare melhor os indivíduos para negociarem melhor, para entenderem melhor como gerenciar o seu dinheiro e aproveitar oportunidades, nós vamos perpetuar um sistema desigual", explica Cerbasi.

Segundo o especialista, a educação financeira abrange um conteúdo que os pais atuais não tiveram em seu tempo de escola. "Em muitos casos, os pais se preocupam com as notas de português, matemática e não estão preocupados com os conceitos de educação financeira que vêm da escola, tratando o tema como algo complementar. É preciso fazer com que a educação financeira seja envolvente a ponto de conquistar toda a família", reforça Cerbasi. Para ele, o caminho para conseguir isso é a conscientização. "Consciência gera desconforto e o desconforto gera a ação necessária para a transformação", destaca Cerbasi.

O consultor ainda alerta que adotar um conteúdo programático sobre o tema nas escolas faz com que o aluno leve para casa orientações que, às vezes, faltam aos pais. "São informações, conhecimentos que podem provocar mudanças para que o próprio planejamento familiar seja alterado, para melhor". Esse trabalho com crianças deve ser iniciado de forma lúdica e com aplicações práticas. Educadores devem despertar essa consciência mostrando às crianças e jovens como os adultos podem perder dinheiro e ver suas vidas limitadas e quase sem oportunidades por falta de uma educação financeira precoce.

De acordo com a proposta incluída na Base Nacional Comum Curricular, a educação financeira deve ser uma matéria transversal, com um conteúdo programático que não seja missão apenas do professor ou da disciplina A, B ou C. É preciso uma programação colegiada, com vários professores, para alinhar a distribuição desse conteúdo em várias disciplinas. Gustavo Cerbasi falou sobre educação financeira em evento online promovido pela Conquista Solução Educacional, voltado a escolas conveniadas. O tema - educação financeira - é um dos pilares da proposta pedagógica da Conquista, com materiais didáticos exclusivos sobre o assunto.

Confira algumas dicas que podem auxiliar na educação financeira das crianças neste período:

Entre 2 e 3 anos: eles podem ainda não compreender os conceitos financeiros, mas podem se familiarizar com as moedas, aprendendo a distingui-las. Circule moedas com diferentes valores e tamanhos em cores distintas e faça associações. Supervisione a atividade para evitar que as crianças levem as moedas à boca. Outra dica é promover o lado lúdico por meio de brincadeiras que simulem o comércio.

Entre 4 e 5 anos: nessa idade, as crianças já observam os pais ao realizar pesquisas de preços, por exemplo. Incentive seu filho a olhar as propagandas e o ajude a procurar os menores preços. Para estimular o lado lúdico em casa, simule um jantar em restaurante e defina as posições – quem arruma a mesa, quem serve, quem paga a conta, quem recebe o pagamento pela refeição.

Entre 6 e 8 anos: nessa fase, muitas famílias já atribuem um determinado valor para as crianças, como mesada. Aproveite o momento e ensine seu filho a poupar. Mostre o aplicativo do banco, explique como funciona, a importância de se manter o equilíbrio entre o que entra e o que sai da sua conta. Se achar que é muito cedo para abrir uma conta para o filho, faça um cofrinho para ele.

Entre 9 e 12 anos: esse é um bom período para ensinar noções de preço e qualidade. Para isso, estimule as crianças a comparar produtos, a ler rótulos, a comparar preços por peso, tamanho e gramatura. Vale também promover um pequeno bazar ou brechó com coisas que não se usa mais ou que são passíveis de troca, a fim de estimular a noção de valor e responsabilidade.

De 13 a 15 anos: esse é um momento interessante para acompanhar e discutir o noticiário econômico com os jovens, fazendo-os refletir sobre diferentes cenários econômicos que possam impactar em algo de seu interesse. É um momento importante também para aprender a organizar orçamentos, planilhar custos, despesas fixas e extras.

A partir dos 16 anos: nessa idade, o jovem já pode trabalhar com cartões pré-pagos de celular ou cartões de banco com valor armazenado, mas é importante que os pais sempre conversem com os filhos sobre a necessidade do respeito ao orçamento. O momento também é propício para estimular o engajamento do jovem em alguma causa humanitária com a qual ele se identifica, dividindo um pouco do que tem e compreendendo também sobre responsabilidade social.

Sobre a Conquista Solução Educacional

A Conquista é uma solução educacional que oferece aos alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino Médio uma proposta de educação e futuro que integra a família, a escola e a comunidade. Com diversos recursos, material didático completo e livros de Empreendedorismo e Educação Financeira, o objetivo da solução é ajudar, de forma consistente, os alunos no processo de aprendizagem e estimular o desenvolvimento de suas capacidades. Atualmente, mais de 1800 escolas de todo o Brasil utilizam a solução.