You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Para driblar crise, empresas ajudam restaurantes a reduzir desperdícios de alimentos nas cozinhas

Para driblar crise, empresas ajudam restaurantes a reduzir desperdícios de alimentos nas cozinhas

Segundo pesquisa da World Resources Institute, 41 mil toneladas de alimentos são jogados fora anualmente no Brasil, sendo que 15% desse desperdício vem de estabelecimentos como restaurantes, bares e lanchonetes. Além do consumo desenfreado, o setor convive com baixíssimos faturamentos e insegurança com a reabertura do comércio em boa parte do Brasil, após 4 meses paralisados por conta do novo coronavírus. Em São Paulo, por exemplo, metade dos restaurantes decidiu não reabrir as portas ainda, segundo a Abrasel-SP (Associação de Bares e Restaurantes).

A solução encontrada por donos de bares e restaurantes para não fecharem as portas foi a demissão de funcionários, entretanto isto pode não ser suficiente para o negócio. Com o objetivo de reorgonizar a gestão dos estabelecimentos e aumentar sua produtividade, algumas empresas já atuam no mercado e usam o sistema Cook n' Chill, termo em inglês que significa "cozinhar e resfriar", que diminui até 80% o consumo de alimentos nas cozinhas e ajudam os restaurantes a produzir. É a metodologia usada na Satoru Food Service Consulting (www.satorufsc.com.br), empresa fundada em 2019 responsável pela consultoria gastronômica de estabelecimentos comerciais, que atua na principal dor de pequenos e médios empresários do setor: o custo operacional da cozinha.

Para o fundador da Satoru Food Service, Guilherme Satoru, a implantação de sistemas como o Lean Kitchen, sistema japonês de gestão, em que prevalece a ideia de aumentar a produtividade com menos consumo, e o próprio Cook n’ Chill, é capaz de não só diminuir em 80% o desperdício de alimentos, mas também de aumentar a produtividade na cozinha em 60%.

“São práticas simples como aproveitar melhor os espaços disponíveis na cozinha, usar os equipamentos mais adequados para cada projeto, resfriar os alimentos da forma correta, entre outras ações. O segredo por trás do negócio da alimentação não é vender caro, mas sim ter uma compra de ingredientes eficiente, um processo fabril a baixo custo e orientar os funcionários a realizar as tarefas com menos esforço”, destaca Satoru.

Para manter a qualidade dos alimentos, a empresa também fica responsável pela rotulagem e informação nutricional, desenvolvimento de fichas técnicas e criação de receituário padrão. “Nós propomos otimizar os processos gastronômicos por meio da análise de todo o processo de cozinha do cliente, identificando equipamentos e estrutura que melhor atenda o seu público, ou implementamos um sistema de cozinha desde o início”, explica Satoru.

Situada em São Paulo, a Satoru Food Service atende restaurantes, bares, lanchonetes, moteis, cafeterias, supermercados e postos de gasolina que oferecem rotisserie e qualquer tipo de cozinha profissional, e cresce em um mercado com outras grandes do setor como a Guersola, Galunion, Cozinha Lean, entre outras empresas.

“Trabalhamos com fluxo de trabalho previsível e padronizado, o que possibilita uma equipe trabalhando de forma mais harmoniosa, sem pressão e assédio na cozinha. A cozinha é pensada nos moldes de uma indústria, onde todos os métodos são planejados para que todos se beneficiem: empresa, funcionário, meio ambiente e o consumidor”, finaliza.

Top stories in your inbox!