You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Para Stefanini Rafael, trabalho remoto exige o mínimo de Segurança da Informação

Para Stefanini Rafael, trabalho remoto exige o mínimo de Segurança da Informação

A pandemia do coronavírus (Covid 19) gerou uma série de impactos no mundo todo e o mercado corporativo passou a adotar o home office como forma de continuar as atividades e colocar seus colaboradores em segurança. Segundo pesquisa recente realizada pela consultoria Betania Tanure Associados com 359 companhias que atuam no Brasil, 43% dessas empresas aderiram ao trabalho remoto em casa. Mas com um número crescente desse novo cenário de atuação home office, como fica a Segurança da Informação? Ao adotar tal modalidade, é fundamental que gestores e colaboradores tomem medidas para garantir e manter a segurança e a proteção dos dados.

Na avaliação da Stefanini Rafael, venture do Grupo Stefanini especializada em soluções avançadas de Inteligência e de Cyber Defense, há que se considerar alguns aspectos fundamentais para o trabalho remoto realizado tanto em PCs, notebooks ou aparelhos celulares, como o uso de Segurança de Dispositivo, independentemente do equipamento usado pelo colaborador; o acesso remoto seguro e criptografado à rede da empresa; acesso controlado aos serviços de nuvem; e, por fim,  rápidos testes de intrusão na própria infraestrutura da empresa, que agora estará mais vulnerável.
A proteção nesses quatro pontos proporcionará um ambiente de trabalho mais seguro e, paralelamente a essas medidas, as empresas também devem assegurar o uso constante de antivírus atualizado, formas mais simplificadas de adoção de softwares contra malwares (códigos maliciosos), além de outros softwares que mantenham a segurança de dados pessoais desses profissionais. Deve-se evitar o uso de Wi-Fi de rua ou locais com sinais de Internet aberta, sem proteção, uma vez que são uma ameaça e há muita vulnerabilidade. É muito importante estabelecer uma conexão segura na casa do usuário que acessa remotamente por meio de uma VPN (Rede Privada Virtual), de forma a reduzir a exposição à ataques. “Os cuidados acima ajudarão as empresas a continuarem operacionais durante este momento de crise, porém reduzindo bastante o risco de uma crise de Segurança da Informação”, afirma Marco Aurélio Peres, Head de Cyber Security da Stefanini Rafael.

A Stefanini Rafael conta com soluções inovadoras e equipamentos de alta tecnologia de serviços em cibersegurançae desenvolve projetos de implementação para centros operacionais de segurança, os chamados Security Operations Centers(SOCs). “Com suas soluções, a companhia auxilia empresas a se preparar para riscos típicos do ambiente digital, como as ameaças nesses tempos de trabalho remoto, onde a Segurança da Informação não pode ser jamais desprezada”, destaca Leidivino Natal, CEO da Stefanini Rafael.

Por meio do SOC, a Stefanini Rafael insere ainda mais segurança no ambiente de trabalho das empresas, a partir de parcerias estabelecidas com fabricantes de softwares, oferecendo módulos com solução de ponta a ponta, com total flexibilidade, que reúne, por exemplo, adoção de testes para avaliação das vulnerabilidades apresentadas. Um exemplo destes serviços é o Pentest (ou Teste de Intrusão), realizados pelos famosos hackers do bem, os ‘Ethical hackers’, que acessam as redes e identificam os pontos vulneráveis, que são porta de entrada de ameaças a serem evitadas.

“Dessa forma, proporcionamos uma gestão de identidade e melhor acesso, ajudando a garantir que o grupo de pessoas autorizadas e com chaves de acesso possa utilizar o sistema de forma segura. É fundamental garantir a base de colaboradores trabalhando remotamente, gerando mais segurança para os negócios. Estamos prontos para uma conversa com as empresas à fim de apoiá-las nessa grande movimentação de infraestrutura”, finaliza Marco Aurélio Peres.

Top stories in your inbox!