You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Participação dos jovens no processo eleitoral é a menor em 30 anos

Educadores defendem a importância de falar sobre democracia com crianças e adolescentes na escola

Em 2020, apenas 5% dos jovens entre 16 e 17 anos estão aptos a votar nas eleições municipais, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Essa é a menor participação dessa faixa etária registrada nos últimos 30 anos. Para entender essa falta de interesse, o podcast PodAprender reuniu o professor do Curso Positivo e autor do Guia Prático sobre Democracia para Jovens, Daniel Medeiros, e a professora de História e mestre em Educação Maria Carolina Magalhães Santos para uma conversa sobre como a escola pode contribuir para despertar o interesse das crianças e adolescentes na democracia e nos processos políticos.

Medeiros, que atua como professor há 36 anos, afirma que para educar cidadãos interessados no jogo democrático é preciso fazer com que eles entendam desde cedo como esse jogo funciona. “Não é que o jovem tenha se desinteressado da política, mas a política se desinteressou dos jovens. Isso porque a política exige conhecimento e prática e não é, portanto, um processo natural. Eu sempre relaciono isso a assistir ou jogar, por exemplo, o baseball. Imagine assistir a uma partida ou, pior, jogar baseball, sem conhecer as regras do jogo... seria impossível”, compara. Para ele, a escola precisa dar protagonismo ao jovem como um agente atuante nas decisões tomadas na comunidade escolar.

Por sua vez, Maria Carolina acredita que a escola funciona como uma fase intermediária entre a família e a sociedade. Ela lembra que o  ambiente escolar é o primeiro em que as crianças convivem com pessoas que não fazem parte de sua família e, por isso, torna-se o melhor lugar para o exercício da democracia. “A escola não pode ser 100% democrática porque há um projeto a ser seguido, mas ela pode abrir esse espaço para que o estudante não se sinta oprimido. Ela é um ambiente de preparação para a vida pública dentro de uma sociedade”, afirma.

Assim, algumas iniciativas da comunidade escolar podem contribuir para que os estudantes passem a compreender melhor como as decisões são tomadas na democracia. “Um bom exemplo é o grêmio estudantil. Por meio dele, há a participação dos alunos, que recebem essa autonomia e podem se eleger, formar chapas com seus colegas e propor coisas que funcionarão para o bem deles dentro da escola”, assinala Maria Carolina.

Esse tipo de oportunidade precisa ser aproveitada por professores e equipe pedagógica como uma forma de desenvolver nos estudantes a vontade de estar presente nos espaços de poder. “Uma pessoa nunca se sente oprimida quando ela obedece a algo de definição ela mesma participa. E essas decisões são muito mais duradouras, porque são resultado do processo de elaboração de livres e iguais ”, lembra Medeiros. Ele destaca a importância de transmitir aos jovens uma cidadania de se defender regimes políticos democráticos. “A alternativa à democracia é o autoritarismo. O regime político democrático é o único que considera que todos aqueles que dele participam têm uma mesma voz e os mesmos direitos de construir como regras que funcionarão para todos.E é preciso entender e assumir que, se eu não sou democrático,

Essas e outras ideias para despertar o interesse dos jovens na política e na democracia estão no 14º episódio do podcast PodAprender, cujo tema é “ Como usar democracia dentro e fora da sala de aula ”. O programa pode ser ouvido no site do Sistema de Ensino Aprende Brasil ( sistemaaprendebrasil.com.br) , nas plataformas Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e os nossos principais agregadores de podcasts disponíveis no Brasil.