Piticas investe em tecnologia para atingir Big Data e Inteligência Artificial

by Marcelo Danil | 2 min read

Adoção da tecnologia de identificação por radiofrequência para gestão de estoque é o primeiro passo da indústria de camisetas para prever o comportamento do consumidor

A fabricante de camisetas Piticas adotou o padrão EPC/RFID (identificação por radiofrequência, na sigla em inglês) da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil para identificar seus produtos desde o chão de fábrica até o controle de estoque em mais de 300 pontos de venda no Brasil. O primeiro resultado da modernização de processos foi a redução do tempo de cinco horas para sete minutos na realização do inventário de estoque. Esse foi um dos principais gargalos a serem solucionados, pois a marca tem um crescimento de 80 a 100 pontos de venda por ano no Brasil.

De acordo com Vinícius Rossetti, diretor da Piticas, “a implantação de etiquetas de radiofrequência na fábrica permitiu um controle diário da produção e do estoque com muita qualidade da informação, o que evita perdas e uma produção mais eficiente para atender as demandas”. Quando os pedidos chegam às lojas espalhadas por todo o país, a conferência dos pedidos também passou a ser automatizada por leitura via radiofrequência, reduzindo substancialmente o tempo de leitura individual do código de barras das peças. Esse processo garantiu muito mais agilidade e eficiência na reposição de estoque. Já na fábrica, o RFID auxilia o controle de produção, a separação de pedidos e a expedição.

A partir dessa iniciativa, os administradores da Piticas perceberam que a qualidade das informações em seus sistemas de automação possibilita a estruturação de dados e, consequentemente, prepara a empresa para evoluir ao patamar do Big Data e da Inteligência Artificial. Para Rossetti, prever o comportamento do consumidor, as tendências e as vendas no varejo são as vantagens que a tecnologia pode proporcionar à empresa. De acordo com o diretor, “adotar o padrão GS1 para a identificação dos produtos foi muito importante porque o GTIN é reconhecido por todo o mercado e o projeto tem custo acessível a todos os franqueados”. Hoje, o faturamento de algo em torno de 300 a 400 mil peças por mês é feito automaticamente em um portal único. Para os franqueados da marca, também é um ganho muito vantajoso.

Os fornecedores da solução foram a iTag (etiquetas RFID), a Zebra (leitores portáteis) e a Presence (software).

Share twitter/ facebook/ copy link