You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Responsabilidade social em tempos de pandemia

Eliziane Gorniak*

As doações para o enfrentamento ao Covid-19 no país ultrapassaram R$ 6 bilhões, segundo levantamento da ABCR (Associação Brasileira de Captadores de Recursos). Com um total de 460.171 doadores, a Associação contabilizou o maior montante nos meses de abril e maio mas, no momento em que o mundo mais sofre com as consequências da doença, a arrecadação mostra sinais de queda. Em junho, as doações caíram 88% em relação à média dos dois meses anteriores.

Mesmo com um recorde histórico de doações, o estudo "O impacto da Covid-19 nas organizações da sociedade civil brasileiras", da Mobiliza e Reos Partners, mostra, porém, que 20% das instituições brasileiras estão sem fundos para manter projetos e dar continuidade às ações; 87% relataram ter toda ou parte de suas atividades principais interrompidas ou suspensas por conta da pandemia; e 73% disseram que houve queda significativa da captação de recursos no período.

O aumento das arrecadações durante uma pandemia beneficiou a área da saúde, o que é natural, dado o contexto, mas seriamente importante os doadores não esquecerem das associações sociais que, diante do isolamento social, estão perdendo dia a dia como suas fontes de renda, captados, por exemplo, em eventos beneficentes, bingos e bazares ou com a força de voluntários. Essas associações atendem, na sua maioria, a população mais vulnerável. Não podemos falhar como sociedade no acolhimento e atendimento desse público.

Uma pesquisa realizada em maio pela Central Press com 270 executivos paranaenses revelou que, mesmo 49% deles relatando queda de 50% a 100% no faturamento da empresa, 35% das associações ampliaram as doações e projetos sociais por conta da pandemia. O momento fez como atitude como empresas se atentarem à responsabilidade social - e essa veio para ficar. Não apenas por incentivos fiscais mas, por que não utilizar os recursos internos para mobilizar uma rede de relacionamento da empresa?

O momento excepcional trazido pela pandemia e o repercussão na saúde das empresas, é preciso pensar em diferentes formas de contribuição com a necessidade da comunidade, por exemplo, por que não convidar colaboradores, fornecedores e clientes a se engajarem com as causas sociais? Ao fazer uma informação circular, a empresa está ajudando a construir um coletivo de apoio, o que aumentará conforme as chances de crescer a rede de doadores. Cada um avaliará como suas próprias condições de doação e, o melhor, mais povos foram beneficiadas.

* Eliziane Gorniak é diretora do Instituto Positivo

Top stories in your inbox!