Aplicativos para smartphones e smart TVs dão a tônica do trabalho da empresa, que também investe em ferramentas acessíveis para todos os públicos

Por Maria Gisele Leite Knust

Em um mercado de alta tecnologia, é fundamental estar sempre em movimento. A Samba Tech sabe disso, e investe em ferramentas para garantir a melhor experiência dos usuários de smartphones e smart TVs.

“A gente acredita muito que o usuário quer assistir às aulas pelo celular, por exemplo. Acabamos de lançar aplicativos, tanto para os dispositivos móveis quanto para smart TVs, que permitem que os alunos acompanhem essas aulas diretamente”, explica Everton Alves, diretor de operações e vendas da empresa.

Entre as novidades estão ferramentas que permitem o envio de conteúdos em vídeos 360º e em realidade virtual. Além disso, a Samba Tech foca, também, em questões de acessibilidade. De olho na legislação vigente e nas necessidades de pessoas com necessidades especiais, foram lançadas ferramentas que facilitam a integração de diversos públicos. Entre eles, um player que aceita comandos de voz e um avatar que traduz as informações para libras, a língua brasileira de sinais.

Árvore de decisão

Um conceito importante nos mais recentes produtos e serviços oferecidos pela Samba é o da “árvore de decisão”. Em linhas gerais, esse tipo de organização permite que os usuários percorram caminhos diferentes de um mesmo conteúdo. Ou seja: dependendo das respostas dadas, o aluno é direcionado para caminhos distintos.

“Eu posso fazer uma pergunta. Se ele errar a resposta, pode ter de voltar ao início, pois isso indica que não está prestando atenção. Se ele acertar, segue para outra etapa do vídeo. Isso é fundamental para garantir retenção”, explica Everton Alves.

“A grande vantagem do ensino online é que pode ser adaptativo. Seu jeito de aprender pode ser diferente do jeito de outra pessoa aprender. Temos uma ferramenta que permite que seja criada uma trilha de aprendizado. Durante o vídeo, dependendo das perguntas ou respostas dos alunos, o material é direcionado por um ou outro caminho”, complementa.

Fundada em 2004, a Samba Tech vem colecionando prêmios desde então. Recentemente recebeu investimentos de 10 milhões de reais do grupo Schincariol, e fornece conteúdos para clientes como Kroton, Estácio e o grupo Laureate. O CEO, Gustavo Caetano, já foi chamado de “o Mark Zuckerberg brasileiro” pela revista Business Insider.

Segundo Everton Alves, a empresa trabalha para resolver o que ele chama de “os três grandes problemas” do EAD: engajamento, personalização e segurança. “No Brasil há um grande problema com pirataria, e a Samba garante que o conteúdo não vai ser assistido por aluno ou usuário sem direito ao acesso”, encerra.