A meta do Você Aprende Agora é chegar a 30 milhões aulas lecionadas até o fim de 2017

Por Naiara Araújo

A fluência em um segundo idioma já foi um sonho distante para muitas pessoas. Mas, com a internet, esse tipo de capacitação se tornou mais acessível. Aprender inglês, por exemplo, deixou de ser um tabu e está a um clique dos interessados. Um dos modelos é o Você Aprende Agora, que está cheio de novidades ainda para 2017 para os estudantes de inglês. Com a missão de ensinar inglês por meio de um modelo de ensino flexível, a plataforma de ensino, que começou com um canal no Youtube e já atendeu alunos em 181 países, se prepara para dar um upgrade nos serviços oferecidos.

Além de alcançar a meta de 30 milhões de aulas lecionadas, sendo que atualmente já foram 26 milhões, Felipe Dib, fundador da plataforma, conta que em neste ano o Você Aprende agora será lançado na China, com o nome You Speak Now. “Nossa missão é ensinar inglês do jeito mais rápido a toda pessoa no mundo que queira aprender esse idioma”, afirma Dib. Essa não será a primeira experiência fora do país. Há dois anos foi lançado o Tu Aprendes Ahora, para quem fala espanhol e quer aprender inglês.

Outra novidade que deve ser apresentada ainda neste ano é o aplicativo da plataforma. De acordo com Dib, o site também terá algum lançamento, mas esse foi considerado um top secret e será uma surpresa para os usuários. “É gostoso ver pessoas que nunca tinham falado inglês na vida e que hoje podem viajar, ter um emprego com salário mais alto, e assim por diante”, conta o criador da plataforma de idioma.

Educação digital

Acessibilidade, flexibilidade e escalabilidade são as grandes vantagens que o ensino online oferece, segundo Dib. “O aluno estuda onde estiver, a hora que quiser e atendemos milhões de pessoas ao mesmo tempo com a mesma aula”, diz. Porém, o maior desafio que o digital apresenta é o engajamento. Para superar essa barreira, a aposta é trabalhar com um ambiente “gamificado”. No caso do Você Aprende Agora, a plataforma está construída no conceito de “edutainment”, que junta educação e entretenimento para que o aluno sinta-se motivado a estudar mais. “Assim temos mais chances de vê-lo estudando com mais disciplina e speaking english”, comenta o profissional.

Da sala de aula para a internet

O trabalho com videoaulas em um canal do Youtube começou em 2011. Depois de sofrer um grave acidente de carro, o professor de inglês decidiu disponibilizar aulas online como forma de agradecimento por ter sobrevivido. Ainda assim, ele continuou dando aula em duas universidades de Campo Grande (MS) e somente em 2013 ele deixou a sala de aula para trás. “Faz 900 anos que as escolas não mudam sua estrutura, mas os professores e os alunos estão em constante evolução”, explica Dib.

Ele conta que faz parte do Banco Interamericano de Desenvolvimento, que se reúne todo ano para debater o futuro da educação. “Sempre nos fazemos essa pergunta: o que mudou? o que precisa ser mudado na educação? como será o aprendizado nos próximos 50 anos?”, revela o professor. Para Dib, o mundo vive um período de mudança nas maneiras em que se estuda.

“Quem leu essa entrevista até aqui é alguém com foco acima da média, porque do momento que você começou a ler esse texto até agora já chegaram várias mensagens no What’s App, o Facebook já está com notificações novas e pode ser que você tenha que ter descido do ônibus. O que acredito que irá mudar é a forma de entregar o conteúdo”, defende.

Público-alvo: jovens e adultos.
Tipo de solução: ensino de idioma EaD.
Modelo de cobrança: aulas gratuitas e planos pagos.