You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Segurança e tranquilidade nos modais alternativos e elétricos

Segurança e tranquilidade nos modais alternativos e elétricos

Por Gabriel Arcon

No final de maio, tivemos que acompanhar a triste notícia de que a Prefeitura de São Paulo resolveu retirar das ruas paulistanas os patinetes elétricos, que já estavam caindo no gosto popular de quem está cansado de ficar horas e horas parado no trânsito.

Segundo anúncio do Prefeito Bruno Covas, quem andar com o veículo nas calçadas ou sem capacetes receberá uma multa que pode ir de R$100 à R$20 mil. Tais multas são aplicadas nas empresas donas dos patinetes, que podem repassá-las, ou não, aos usuários finais.

Essa história ainda vai render muito pano para à manga, como diziam os mais antigos, pois há interesses diversos, nas esferas públicas e privadas, para que os patinetes elétricos sejam liberados. Mas o ponto principal, pelo menos sob minha visão, é que à discussão não deveria se limitar aos patinetes, mas sim ser elevado à nível nacional sobre à aplicação de outros modais que possam contribuir, de alguma forma, para aliviar à mobilidade urbana caótica que temos atualmente.

Se pararmos e observarmos bem, veremos que é crescente  o número de pessoas que apostam em meios alternativos para se locomover na cidade. Bikes elétricas, patinetes e até mesmo skates são cada vez mais vistos nas ruas. Por isso, é imprescindível que tanto agentes políticos quando privados, como é o caso da startups de mobilidade urbana, deixem possíveis diferenças e interesses de lado e passem a pensar na evolução de bem-estar de todos.

Em algumas cidades da Europa, já existem regulamentações para esses novos modais, designando onde, quando e como as pessoas podem fazer uso deles nas ruas, de maneira segura para todos. Portanto, cabe a nós, nos abrirmos de uma vez para o novo, aceitarmos que os tempos (e interesses) mudaram e apostar no que já deu certo em outros países. Encontrar um senso positivo no meio do caminho, para que todos possam dirigir, pedalar ou caminhar nas ruas.

*Gabriel Arcon é CEO da E-moving, startup de aluguel de bikes elétricas.