You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Unicórnios ou Camelos? Porque a cultura da inovação precisa mudar no novo mundo

Por Alcebíades Araújo, Head de Cultura do Grupo Squadra

Um mundo encantado, repleto de ideias inovadoras surgindo a todo momento. Até bem pouco tempo esse era o ideal de startups de rápido crescimento, com estrutura agressiva e muita inovação, capazes de superar a casa de US$ 1 bilhão em valor de mercado – o suficiente para ser, portanto, um Unicórnio. Mas esse tem sido realmente um modelo sustentável?

Unicórnios são espécimes fantásticos, fortes e incríveis, raros de se encontrar. Mas, parece que a figura mágica do cavalo com chifre se tornou mais frequente do que se poderia imaginar. Atualmente, aproximadamente 350 empresas fazem parte dessa “categoria” em todo o planeta, sendo que muitas delas vêm registrando seguidamente desempenhos muito mais voláteis do que marcas com valor de bilhões de dólares deveriam apresentar.

Isso nos leva ao segundo ponto: empresas do mais alto valor de mercado agora estão demonstrando uma série de inconsistências em seus modelos de negócios, deixando em dúvida a sustentabilidade de suas operações no longo prazo. Não é raro encontrar exemplos de startups, a maioria delas do Vale do Silício (Estados Unidos) e da China, atraindo aportes milionários em rodadas bancadas por grandes fundos internacionais. À medida que a crise pós-pandemia deixar suas cicatrizes, é improvável pensar na manutenção desse cenário de alto risco e volume de investimentos.

Qual seria a solução, então, para o ecossistema de startups e inovação? Segundo Alex Lazarow, um dos nomes mais experientes do mercado investidor do Vale do Silício, o momento é de mudança de foco. Ao invés de procurar por novos Unicórnios é preciso valorizar os Camelos.

A explicação de Lazarow é simples. Camelos são animais altamente adaptáveis, resistindo mesmo em ambientes desfavoráveis, com postura extremamente resiliente e capacidade de sobreviver sem água e comida por longos períodos. São animais fortes e preparados para a crise, mas também bastante equilibrados e longevos.

A proposta do investidor norte-americano pode ser resumida, em outras palavras, em valorizar a capacidade que micros, pequenos e médios empreendedores têm de criar empresas, muitas vezes do zero, e mantê-las vivas, inclusive em situações inóspitas de investimento, consumo e inovação.

Pense, por exemplo, nas empresas brasileiras que contam com serviços inovadores e realmente importantes para a população e que precisam conviver diariamente com condições inadequadas e dúvidas sobre quando e como terão receitas. Elas precisam fazer mais coisas com menos recursos e, por isso, são obrigadas a aprender a direcionar seus esforços e ser incansáveis em procurar novos horizontes.

Essas empresas têm muito potencial para crescer e podem certamente representar mais valor à sociedade do que a cultura fugaz dos unicórnios, já que parecem oferecer mais solidez e estabilidade para ecossistemas de investimento, consumo e geração de riquezas. Elas são camelos por essência. No entanto, de que mais elas precisam para crescer de forma sustentável e com mais facilidade?

Ter um propósito claro, um  design ágil e a tecnologia certa, possivelmente são respostas adequadas para esta pergunta. É preciso levar a transformação digital, com recursos e ferramentas que potencializam a produtividade das empresas. Do mesmo modo, é necessário uma liderança com visão clara, que reconheça a incerteza dos tempos como parte integrante do cenário e que consiga comunicar isso claramente aos seus liderados. Somente assim poderão otimizar seus esforços, aprimorar talentos e melhorar a entregas aos clientes, mesmo em tempos como estes.

Portanto, mais importante do que ter propostas fantásticas e incríveis é construir um ambiente com alta capacidade de sobrevivência, com gestão inteligente do risco, eficiência de fluxo e parceiros confiáveis, deixando assim o caminho livre e seguro para inovar.

As empresas brasileiras têm muito a ganhar com essa mudança de paradigma e a consolidação dessa cultura organizacional pautada na continuidade do negócio. Planejar, crescer e se sustentar devem ser pilares das organizações nesses novos tempos. Resta saber quem saberá dar os passos certos em busca de tecnologia e conhecimento para avançar com a longevidade dos camelos e liderar essa jornada rumo ao futuro.

Top stories in your inbox!